CANAL DA AÇÃO CULTURAL

Loading...

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Poesias de Vinicius de Moraes na Internet

Fonte: Teia Cultural Minas - Nº 16 - 29 de Abril de 2010 (representação regional do Ministério da Cultura de Minas Gerais)

A Biblioteca Brasiliana USP disponibilizou nesta segunda-feira, 26 de abril, o acervo completo de poemas de Vinicius de Moraes para leitura e acesso livre pela Internet, na página www.brasiliana.usp.br. Toda a poesia de Vinicius de Moraes reúne 15 livros do poeta, que foram doados ao projeto pelo bibliófilo José Mindlin. O lançamento da obra digitalizada ocorreu durante a abertura do Simpósio Internacional de Políticas Públicas para Acervos Digitais, promovido pelo Ministério da Cultura, Casa da Cultura Digital e Brasiliana USP, até o dia 29, em São Paulo.

Entre os livros que compõem a coleção destacam-se O caminho para a distância (1933), o primeiro livro publicado; a primeira edição de Orfeu da Conceição (1956), peça em três atos premiada no Concurso de Teatro do IV Centenário de São Paulo; e Livro de sonetos (1957), uma das mais populares publicações do poeta.


--------------------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 29 de abril de 2010

O Portal do Som (2) - Música e Tragédia Urbana

Recentemente, algumas tragédias urbanas — em especial a relacionada ao assassinato do cartunista Glauco e do seu filho, Raoni — me trouxeram à lembrança alguns versos da canção "Muros e Grades"( “Nas grandes cidades, no pequeno dia-a-dia, o medo nos leva tudo, sobretudo a fantasia...”), um grande sucesso dos Engenheiros do Hawaii, e uma das canções que fez parte da trilha sonora da vida de uma “banda” da geração 80. (1)

Falo em banda querendo aqui me referir a uma parte da juventude, pois outras juventudes estavam ligadas em outras vertentes musicais, mesmo que, em muitos casos, a matriz de origem fosse o mesmo rock brazuca que despontava com toda força, a partir do início da década.


Leia mais em: http://www.overmundo.com.br/overblog/o-portal-do-som-2-musica-e-tragedia-urbana

sexta-feira, 23 de abril de 2010

ALDEA DE PAZ, FORO SOCIAL MUNDIAL, ZOCALO DE LA CIUDAD DE MEXICO, 2, 3 Y 4 DE MAYO DEL 2010

Con ocasión del próximo FSM en la ciudad de México, los invitamos a participar en "La Aldea de Paz," un espacio de intercambio vivencial entre representantes de distintos movimientos sociales, ambientales, indígenas, artistas que estará instalado en el Zócalo del DF los días 2, 3 y 4 de mayo. La Aldea temporal, es también un espacio de reflexión acerca de las diferentes formas en las que tod@s podemos participar en la creación de un "mundo mejor para tod@s." Por medio de una exposición de ecotecnologías, talleres, conferencias, ceremonias y presentaciones artísticas este espacio estará presentando diferentes propuestas de acción para la regeneración planetaria. "Otro Mundo es Posible," y ahí estaremos tod@s, construyéndolo junt@s.


MUESTRA ITINERANTE DE ECOTECNIAS
Este espacio tendrá un recorrido en cinco áreas, para cada uno de los elementos: Tierra, Agua, Aire, Fuego y el Tiempo es Arte como quinto elemento. En cada área tendremos manuales, información y muestras de tecnología de bajo impacto ambiental tanto disponibles en el mercado como otras fáciles de replicar, de costo mínimo, al alcance de los pobladores de las comunidades que más las necesitan para mejorar la calidad de sus vidas.
El área de “Tierra” incluirá una reflexión acerca de nuestros hábitos de consumo, ejemplos de tecnologías para reducir, reciclar y reaprovechar los desperdicios sólidos del hogar, diferentes tipos de composta, huertos urbanos, tejados verdes, alimentación saludable, nutrición, bancos de semillas entre otros.
El área de “Agua”, incluirá reconocimiento de cuenca, sanitarios ecológicos sistemas ahorradores de agua, biodigestores, filtros, captadores de agua, regaderas solares, , jabones naturales, detergentes biodegradables, etc.
En el área de “Aire-comunicación”, estamos considerando mostrar varios tipos de transporte alternativo, biocombustibles, bici-innovaciones con aditamentos para moler, licuar y revolver alimentos accionadas por fuerza humana.
Al área “Fuego-Energía” corresponden las energías provenientes de celdas fotovoltaicas, foto térmicas, iluminación, sensores, hornos, calentadores y estufas solares, estufas ahorradoras de leña y mas

Finalmente en el área de Tiempo es Arte estaremos llevando información sobre el Comercio Justo, Biorregionalismo, Permacultura, vegetarianismo, Calendario maya, plantas medicinales. Se llevaran a cabo pláticas y conferencias así como presentaciones audiovisuales mostrando el trabajo de los movimientos ecológicos de México y particularmente la experiencia de la Caravana Arcoris de la Paz
Como parte de esta exposición se estará presentando el histórico autobús “Mazorca” de la Caravana Arcoiris por la Paz, proyecto educativo y cultural itinerante que recorrió por 13 años, diez y siete países de América Central y del Sur. La Mazorca estará abierta al público y funcionará como oficina durante el evento.
Este espacio le da continuidad a la Casa Ecológica instalada en el FSM 2008, además de la Carpa de Ecotécnias instalada recientemente en el Festival Cumbre Tajin 2010. Ambos eventos tuvieron una buena aceptación del público, así como de los medios de comunicación.

HISTORIA DE LA ALDEA DE PAZLa “Aldea temporal de Paz” es una propuesta de campamento-ecológico y espacio de intercambio experimental entre representantes de distintos movimientos sociales, ambientales, indígenas, artistas, que tuvo sus orígenes en México a principios de los años 1990´s, convocados por los Consejos de Visiones de Guardianes de la Tierra. Hasta la fecha, el Consejo ha realizado nueve montajes de estas “Aldeas” en distintas biorregiones del país y actualmete se está convocando para su 10º encuentro, que tendrá lugar el próximo mes de noviembre, en la ecoaldea Nierika, poblado de Chalmita, en el estado de México.

En 1996, un grupo de activistas y artistas provenientes de la ecoaldea Huehuecóyotl, situada en Tepoztlán-Morelos, decidimos llevar a Centro y Sudamérica el diseño de estas “Aldeas temporales”, por medio de la “Caravana Arcoiris por la Paz, y en los 13 años siguientes, recorrimos 17 países del Sur, realizando centenares de actividades por una Cultura de Paz, sustentable y con justicia social, con el apoyo de los movimientos sociales de toda Latinoamérica.

El modelo de estos encuentros ha sido adoptado por una gran cantidad de grupos en distintos países, no solo de América sino del resto mundo, y en la actualidad se están replicando, cada uno con sus características propias, pero manteniendo la propuesta de inclusión, ecumenismo y pluralidad arcoírica, que es el corazón pulsante de nuestras “Aldeas,” dando cabida al compartir de todas las visiones que apunten a la creación de un nuevo paradigma planetario.

Las “Aldeas temporales de Paz” han sido un espacio que ha hecho parte de los foros Sociales Mundiales de Porto Alegre-Brasil, desde el 2003, del de Caracas-Venezuela en 2006 y más recientemente del 10º Aniversario de los FSM en Porto Alegre, este año de 2010. La Caravana Arcoiris contribuyó con su montaje tanto en el Foro Social de Santiago de Chile en 2004 como el año pasado en Belem do Pará. Con más de 1200 activistas del mundo entero acampando en ella, la “Aldea” fue considerada una de las proyectos más propositivos de Belem, por demostrar que el “otro mundo posible”, ya está aquí, ahora, y que lo estamos construyendo entre todos los que participamos de esta visión colectiva.

Desde el regreso a México el año pasado de la Caravana Arcoiris, después de 13 años de activismo social y espiritual en el Sur, hemos montado la Aldea de Paz en el Festival Noosférico en Meztitla en diciembre del 2009, y más recientemente, durante el mes de marzo del 2010, junto con las organizaciones Organi-K, Manos a la Tierra, Permacultura en Acción, SARAR, Ayotl, la Dirección de Cultura de la Delegación de Coyoacán, entre otras, en el marco del Festival de “La Cumbre del Tajin.” En esta ocasión instalamos como parte central de la Aldea, una “Carpa de Ecotecnias,” con docenas de módulos de tecnologías apropiadas para el cuidado de la tierra, el agua, el aire, el fuego (energía) y con un espacio central para el arte, como la acción humana que mejor integra a todas las demás. Más de 4500 personas nos visitaron en los cinco días del evento.


El autobús que guió a la Caravana Arcoiris en su epopeya histórica se llama la “Mazorca,” y debido a los numerosos documentales, artículos, programas de TV y radio que se han hecho sobre la odisea, en cuatro continentes, la “Mazorca” se ha convertido en un ícono y un símbolo que inspira a personas, grupos y redes de cambio de nuestro continente, y es en la actualidad un pequeño museo vivo que acompaña a la Aldea en sus distintos montajes.

L@s esperamos a tod@s


Un abrazo solidario


Coyote Alberto Ruz

MOSTRA Teatro do Oprimido de Ponto a Ponto

Encontros e Práticas em ARACAJU

Acontece no dia 30 de abril, a Mostra “Teatro do Oprimido de Ponto a Ponto – Encontros e Práticas em Aracaju”, quando multiplicadores e praticantes do método criado pelo teatrólogo Augusto Boal se reúnem para discutir seus saberes e práticas. Na ocasião será apresentada uma peça teatral “Fora preconceito” com atuação de um dos grupos de Teatro do Oprimido de Aracaju. Ao final da apresentação alguns espectadores serão convidados a subir no palco e, trocando de lugar com o protagonista, mostrar alternativas aos problemas encenados. O espectador da sessão de Teatro-Fórum (espect-ator) não é um consumidor do bem cultural, mas sim um ativo interlocutor que é convidado a assumir o papel do oprimido e/ou de seus aliados para interagir na ação dramática de maneira a apresentar alternativas para transformar a realidade – ser ator de sua própria vida.


A programação da Mostra conta ainda com: o lançamento do livro póstumo do teatrólogo e ensaísta Augusto Boal, A Estética do Oprimido, considerado o testamento artístico do autor; uma exposição de produtos artísticos produzidos pelos grupos locais, palestras, exibição de um curta metragem. No dia anterior (29/4) os praticantes do Teatro do Oprimido em Aracaju participam de uma oficina teórica e prática da Estética do Oprimido ministrada pelos curingas do Centro de Teatro do Oprimido (www.cto.org.br).



As atividades do evento integram o "Projeto Teatro do Oprimido de Ponto a Ponto", cujo objetivo é a capacitação e acompanhamento de novos multiplicadores do método Teatro do Oprimido em dezoito estados brasileiros e quatro países da África lusófona (Moçambique, Guiné-Bissau, Senegal e Angola), é uma realização do Centro de Teatro do Oprimido com patrocínio do Ministério da Cultura por intermédio do Programa Cultura Viva.



PROGRAMAÇÃO – 30 DE ABRIL, SEXTA-FEIRA



17:00h - Abertura da exposição



18:00h – Abertura com palavra de Monique Rodrigues, curinga do Centro de Teatro do Oprimido (CTO), seguido de exibição de curta metragem sobre as atividades do Projeto Teatro do Oprimido de Ponto a Ponto no Brasil e na África lusófona.



18:30h – Lançamento do livro A Estética do Oprimido, com palestra de Geo Britto, sociólogo e curinga do CTO, a respeito da aplicação desta técnica no Projeto.



19:00h – Apresentação de Sinestesia do Poema com o Grupo Nova Imagem.



19:30h – Apresentação da peça “Fora Preconceito” com o grupo Dilemas da Vida, seguido de Teatro-Fórum. Sinopse: A peça retrata a história real de Amélia, usuária da saúde mental, que possui grande desejo de ser pintora. Contudo, ao tentar se matricular na Escola de Artes da cidade é surpreendida pelo preconceito de João, professor da escola, que a impede de entrar no curso quando descobre que Amélia é usuária de um Caps (Centro de Atenção Psicossocial). Para João e grande parte dos alunos dizem que “maluco” não tem o direito de estar cursando uma escola tradicional. Sobre o Grupo: O grupo Dilemas da Vida existe há um ano e é formado por usuários do Caps Liberdade.



20:30h – Coquetel



O CENTRO DE TEATRO DO OPRIMIDO



Surgido em 1986, o Centro de Teatro do Oprimido (CTO) é um centro de pesquisa e difusão, que desenvolve metodologia específica do Teatro do Oprimido em laboratórios e seminários, ambos de caráter permanente, para revisão, experimentação, análise e sistematização de exercícios, jogos e técnicas teatrais. Nos laboratórios e seminários são elaborados e produzidos projetos sócio-culturais, espetáculos teatrais e produtos artísticos, tendo como alicerce a Estética do Oprimido. A filosofia e as ações desta instituição visam à democratização dos meios de produção cultural, como forma de expansão intelectual de seus participantes, além da propagação do Teatro do Oprimido como meio, da ativação e do democrático fortalecimento da cidadania. O CTO implementa projetos que estimulam a participação ativa e protagônica das camadas oprimidas da sociedade, e visam à transformação da realidade a partir do diálogo e através de meios estéticos. Dessa forma o CTO desenvolve projetos na área da educação, saúde mental, sistema prisional, pontos de cultura, movimentos sociais, comunidades, entre outros. Por conta de sua natureza humanística e do potencial do Teatro do Oprimido, está atuante em todo o Brasil e em países como Moçambique, Guiné Bissau, Angola e Senegal.



SERVIÇO



Evento: Mostra Teatro do Oprimido de Ponto a Ponto - Encontros e Práticas em Aracaju

Local: Auditório da Biblioteca Pública Epifânio Dória

Endereço: Rua Dr. Leonardo Leite s/n°, 13 de Julho

Tels: 3179-1907 e 3179-1935

Capacidade de público: 200 pessoas
Horário: 17 às 20h

Classificação indicativa: LIVRE

ENTRADA FRANCA



ATENDIMENTO À IMPRENSA



Ney Motta | Centro de Teatro do Oprimido
Assessor de Comunicação
(21) 2539-2873 e 8718-1965

quarta-feira, 14 de abril de 2010

A Cultura na Urna

Folha de S. Paulo - Ana Paula Sousa

Aumento da intervenção estatal e definições sobre política cultural devem ser utilizados como munição no debate eleitoral entre PT e PSDB em 2010.

Toda eleição eles fazem tudo sempre igual. Prometem empregos e segurança, atiram pedras no telhado do candidato rival e eximem-se de falar sobre planos para a cultura. Mas, desta vez, a estrofe pode mudar.

É que a política cultural acolhe, neste momento, uma das questões que promete ser chave na disputa presidencial: até onde deve ir a mão do Estado?

"O Estado tem de valorizar a base, e não definir que peça ou disco deve receber patrocínio. Temos de estimular os artistas e não criar camisas de força", responde o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ). "O PT adora centralizar o poder."

Já a secretária de Cultura do PT, Morgana Eneile, cantarola "Era uma casa muito engraçada" para dizer que, quando Gilberto Gil tomou posse, em 2002, o MinC (Ministério da Cultura) "não tinha teto, não tinha nada". "Nos anos do PSDB, o Estado abandonou a cultura."

Leite e Eneile, enfáticos, surgiram como porta-vozes por indicação dos partidos. Os caciques parecem estar recolhidos. Mas a fala de ambos deixa antever que, no esboço da campanha, a cultura é tratada como possível munição.

"A discussão entre Estado e mercado ganhou peso por causa dos debates sobre a Lei Rouanet. É inevitável que apareça na campanha", aposta Sergio Xavier, pré-candidato do PV ao governo de Pernambuco e ex-secretário da pasta de Gil.

Apesar de não terem definido os coordenadores dos programas culturais, os partidos parecem ter claro que, em 2010, não será possível limitar-se à lenga-lenga do "vamos fazer centros culturais na periferia".

Com leis importantes no Congresso, a cultura avançou sobre sobre política e economia e, com isso, foi cercada por diversos lobbies. "O Gil passou a tratar a cultura como questão de Estado e eixo de desenvolvimento", diz o petista Márcio Meirelles, secretário de Cultura da Bahia. "Institucionalizou-se o papel do Estado."

Cultura paternalista
A política atual começou a ser forjada no fim da ditadura. Após enterrar a Embrafilme e enfraquecer a Funarte, grandes estruturas estatais, o país descobriu o elixir das leis de incentivo, preconizadas pela Lei Sarney, de 1986. "Decidiu-se que não podíamos mais ter Estado. Saímos do modelo estatal e fomos para uma situação radicalmente oposta", diz André Sturm, quadro da secretaria de Cultura paulista. "Como qualquer extremo se esgota, o Estado começa a voltar."

O Estado sempre foi o principal financiador da cultura no Brasil, mas, com as leis de incentivo, transferiu para a iniciativa privada a decisão de onde colocar os recursos do imposto que as empresas deixam de pagar. "O que temos é investimento público com critérios privados", diz Sharon Hess, diretora da Articultura, empresa que formata projetos culturais.

A reação a esse modelo partiu dos grupos de teatro. "Não tínhamos acesso aos recursos das empresas", diz Ney Piacentini, da Cooperativa Paulista de Teatro. "Queríamos retomar a relação com o Estado, reagir à mercantilização da cultura."


Do outro lado do palco, uma ala que acabou simbolizada pelo Cirque du Soleil, defende que são, sim, as empresas que devem definir o patrocínio. O terror desse grupo são os concursos e editais públicos.
"Têm de ser desmistificadas as questões sobre o dirigismo estatal", diz Hess. "A discussão sobre os riscos de intervenção acontecem no mundo todo. Mas há inúmeras maneiras de reduzir os riscos de dirigismo e não deixar a produção à mercê de ideologias políticas."

Não é o que pensa Otávio Leite :"O PT tende a criar conselhos e beneficiar grupos e castas. Quem não faz parte desses grupos enfrenta problemas".

Em tom de duelo, Eneile diz que o PSDB entregou a administração das instituições públicas a terceiros, por meio das Organizações Sociais, e faz uma política de eventos. "Só querem fazer grandes equipamentos e eventos que criem barulho."



http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1304201008.htm

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Descalça, Ana Botafogo fala em despedida

09/04/2010 - 07h15
ADRIANA PAVLOVA
colaboração para a Folha
fonte: folha online

A bailarina que é símbolo da dança clássica no Brasil diz que seu tempo está terminando. Com 35 anos de carreira (29 dedicados ao balé do Teatro Municipal do Rio), Ana Botafogo ainda não marcou a despedida dos palcos, mas fala em aposentadoria. Por isso, diz querer se aventurar em novos terrenos.

Leia mais em:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u718331.shtml

VII COLÓQUIO INTERNACIONAL PAULO FREIRE

TEMA: PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO E CULTURA POPULAR





LOCAL – CAMPUS DA UFPE

DATA – 16 A 19 DE SETEMBRO DE 2010

Iniciadas as inscrições para o VII Colóquio Internacional Paulo Freire. Comemorativo dos 50 anos do Movimento de Cultura Popular do Recife - MCP, o evento contará com a participação de vários protagonistas do MCP, espaço onde Paulo Freire foi um dos expoentes, teceu e realizou muitas de suas revolucionárias idéias. Professores, educadores populares, profissionais de diversas áreas do conhecimento provenientes do Brasil e de diversas partes do mundo estão presentes. No VII Colóquio os participantes podem inscrever trabalhos em Mesas Redondas , Comunicações Orais e participar dos Círculos de Cultura. O participante, ao inscrever seu trabalho deverá escolher um dos eixos:

(1) Educação e Cultura

(2) Educação Popular e Movimentos Sociais

(3) Educação de Jovens e Adultos

(4) Trabalho e Identidade Social

(5) Sustentabilidade do Meio Ambiente

(6) Direitos Humanos e Cultura da Paz

Para os que pretendem participar com trabalhos, o prazo para apresentação do resumo é até 30 de maio de 2010. Sendo aprovado pela Comissão Científica, o autor deverá apresentar texto completo de 8 a 12 laudas, até 30 de julho de 2010. Tudo conforme as orientações para inscrição contidas no site www.paulofreire.org.br/coloquio/ FAÇA SUA INSCRIÇAO. PAULO FREIRE ESTÁ VIVO ENTRE NÓS!

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Petrobras apóia projetos sociais

Por Roseane Moura

A Petrobras está com inscrições abertas para a seleção pública 2010 do Programa Desenvolvimento & Cidadania. Por meio do edital de seleção pública, a instituição vai investir R$ 110 milhões no período de dois anos em projetos sociais em todo o Brasil. Interessados têm até o dia 21 de maio para inscrever suas ações nas áreas de geração de renda e oportunidade de trabalho, educação para qualificação profissional e garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes

Durante o período de inscrições, a Petrobras vai promover caravanas em todos os estados brasileiros para divulgar o programa, o regulamento e capacitar as organizações sociais para a elaboração de projetos. Em Sergipe, a caravana - oficina presencial que capacitará as organizações para a elaboração de projetos - acontece dia 8 de abril em local a ser definido.

Serão aceitos projetos sobre responsabilidade de organismos governamentais, não governamentais e comunitários, legalmente constituídos no país, que atuem no Terceiro Setor. Cada organização poderá inscrever até três projetos, mas só um poderá ser contemplado.

Poderão concorrer projetos em andamento, ou em fase de planejamento, que tenham como foco uma das linhas de atuação do programa. A divulgação pública dos resultados do processo seletivo será feita até setembro de 2010, pela imprensa e pela internet. De 2007 a 2009, o Programa investiu R$ 396 milhões em 1.891 projetos.

O Programa prevê investimentos de R$ 1,3 bilhão até 2012, que deverão permitir a realização de projetos que atendem direta e indiretamente a 18 milhões de pessoas em todos os estados do país. Informações:

www.petrobras.com.br/desenvolvimentoecidadania.


A oficina de capacitação será realizada no hotel Parque dos Coqueiros, dia 8 de abril, das 8 as 18 h. Inscrição no local.