CANAL DA AÇÃO CULTURAL

Loading...

CARAVANA CULTURAL LUIZ GONZAGA VAI A ESCOLA

Quer a presença da Caravana Luiz Gonzaga em sua escola, empresa, orgão público ou organização não governamental?

Roda de quadriha improvisada no IFS - Foto: Alejandro Zambrana

Acima: Professor José Augusto - foto: Alejandro Zambrana
Abaixo: Exposição Fotográfica - foto: Zezito de Oliveira





Exposição de fotos, exibição de documentário sobre a Caravana Luiz Gonzaga Vai à Escola  e apresentação de coreográfias inspiradas em músicas de Luiz Gonzaga estão  a disposição de escolas da rede pública de ensino, durante os meses de maio e junho .

As escolas públicas interessadas em contar com a participação parcial da Caravana Luiz Gonzaga Vai à Escola, poderão entrar em contato com o  produtor executivo da iniciativa, Zezito de Oliveira, para combinar detalhes acerca das condições para o transporte de material, lanche  e pagamento de diárias para 2 adolescentes  que fazem a assistência a  produção.  

As escolas particulares, orgãos públicos, empresas  e organizações não governamentais,   além destas condições, deverão arcar com uma pequena ajuda financeira ou em material, sem valor pré definido,  voltada para o investimento no  trabalho sócio-educativo da Ação Cultural desenvolvido com crianças,  adolescentes e mães no Conjunto Jardim através de oficinas artisticas, reuniões , exibição de filmes e passeios culturais.

e-mail: zezitodeoliveira@gmail.com e 8864-5927 e 8117-2290
Para saber mais sobre a Caravana Luiz Gonzaga, clique AQUI AQUI
Quem quiser a presença completa da Caravana com  palestra, seleção de documentários e o trio de pé de serra, além dos itens citados no inicio deste informe,  deve entrar em contato com o produtor Zezito de Oliveira para acertar detalhes sobre o custo financeiro total.

Leia também: Festa junina na escola e qualidade na educação. AQUI

foto: Divulgação
 

Acima: Joaquim Antônio (Casaca de Couro)
Abaixo: Meninas da Oficina de Dança do Ponto de Cultura: Juventude e Cidadania.
 foto_ Marco Vieira

 

 

 

 

 Festa junina na escola e qualidade na educação. AQUI

 Informativo Díário de Bordo - Caravana Luiz Gonzaga vai à Escola. Leia AQUI

Luiz Gonzaga: o sanfoneiro do povo de Deus


Homenagem ao centenário do músico pernambucano
O Parque Aza Branca preserva o acervo de Luiz Gonzaga em Exú, sua cidade natal.O Parque Aza Branca preserva o acervo de Luiz Gonzaga em Exú, sua cidade natal.O Caminhos da Reportagem desta semana faz uma homenagem a Luiz Gonzaga, o Rei do Baião. Gonzagão completaria cem anos no dia 13 de dezembro de 2012.
Referência fundamental da música brasileira, um patrimônio nacional, primeiro grande artista de destaque do Nordeste, Gonzagão cantou as alegrias e as tristezas de um povo rico de causos, de histórias de vida. O nordestino e o Nordeste foram a eterna inspiração de Luiz Gonzaga. As histórias do sertão se transformaram em música na voz e na sanfona do Rei do Baião.
O Caminhos da Reportagem esteve em Exu, no sertão pernambucano, terra onde nasceu Luiz Gonzaga. Lá, conhecemos personagens da vida dele, a casa onde morou, o Parque Aza Branca e o Museu do Gonzagão.
A equipe esteve também em Recife, Santa Cruz do Capibaribe e Rio de Janeiro. Conversamos com alguns dos maiores sanfoneiros do Brasil, além de renomados artistas e amigos do Rei do Baião. Neste programa, você vai conhecer um pouco da imensa riqueza musical desse homem de origem simples que virou a voz do Nordeste.

AQUI 

LUIZ GONZAGA NA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Texto que serve de base  para a elaboração da cartilha "Conhecendo o Nordeste com Luiz Gonzaga" Quem for utilizá-lo pode escrever para o e-mail zezitodeoliveira@gmail.com e informar como foi ou como está sendo utilizado.  Acesse AQUI


Ariano Suassuna falando do forró atual...

‘Tem rapariga aí? Se tem, levante a mão!’. A maioria, as moças, levanta a mão. Diante de uma plateia de milhares de pessoas, quase todas muito jovens, pelo menos um terço de adolescentes, o vocalista da banda que se diz de forró utiliza uma de suas palavras prediletas (dele só não, e todas bandas do gênero). As outras são ‘gaia’, ‘cabaré’, e bebida em geral, com ênfase na cachaça. Esta cena aconteceu no ano passado, numa das cidades de destaque do agreste (mas se repete em qualquer uma onde estas bandas se apresentam). Nos anos 70, e provavelmente ainda nos anos 80, o vocalista teria dificuldades em deixar a cidade.
Pra uma matéria que escrevi no São João passado baixei algumas músicas bem representativas destas bandas. Não vou nem citar letras, porque este jornal é visto por leitores virtuais de família. Mas me arrisco a dizer alguns títulos, vamos lá: Calcinha no chão (Caviar com Rapadura), Zé Priquito (Duquinha), Fiel à putaria (Felipão Forró Moral), Chefe do puteiro (Aviões do forró), Mulher roleira (Saia Rodada), Mulher roleira a resposta (Forró Real), Chico Rola (Bonde do Forró), Banho de língua (Solteirões do Forró), Vou dá-lhe de cano de ferro (Forró Chacal), Dinheiro na mão, calcinha no chão (Saia Rodada), Sou viciado em putaria (Ferro na Boneca), Abre as pernas e dê uma sentadinha (Gaviões do forró), Tapa na cara, puxão no cabelo (Swing do forró). Esta é uma pequeníssima lista do repertório das bandas.
Porém o culpado desta ‘desculhambação’ não é culpa exatamente das bandas, ou dos empresários que as financiam, já que na grande parte delas, cantores, músicos e bailarinos são meros empregados do cara que investe no grupo. O buraco é mais embaixo. E aí faço um paralelo com o turbo folk, um subgênero musical que surgiu na antiga Iugoslávia, quando o país estava esfacelando- se. Dilacerado por guerras étnicas, em pleno governo do tresloucado Slobodan Milosevic surgiu o turbo folk, mistura de pop, com música regional sérvia e oriental. As estrelas da turbo folk vestiam-se como se vestem as vocalistas das bandas de ‘forró’, parafraseando Luiz Gonzaga, as blusas terminavam muito cedo, as saias e shortes começavam muito tarde. Numa entrevista ao jornal inglês The Guardian, o diretor do Centro de Estudos alternativos de Belgrado. Milan Nikolic, afirmou, em 2003, que o regime Milosevic incentivou uma música que destruiu o bom-gosto e relevou o primitivismo est tico. Pior, o glamour, a facilidade estética, pegou em cheio uma juventude que perdeu a crença nos políticos, nos valores morais de uma sociedade dominada pela máfia, que, por sua vez, dominava o governo.
Aqui o que se autodenomina ‘forró estilizado’ continua de vento em popa. Tomou o lugar do forró autêntico nos principais arraiais juninos do Nordeste. Sem falso moralismo, nem elitismo, um fenômeno lamentável, e merecedor de maior atenção. Quando um vocalista de uma banda de música popular, em plena praça pública, de uma grande cidade, com presença de autoridades competentes (e suas respectivas patroas) pergunta se tem ‘rapariga na plateia’, alguma coisa está fora de ordem. Quando canta uma canção (canção?!!!) que tem como tema uma transa de uma moça com dois rapazes (ao mesmo tempo), e o refrão é ‘É vou dá-lhe de cano de ferro/e toma cano de ferro!’, alguma coisa está muito doente. Sem esquecer que uma juventude cuja cabeça é feita por tal tipo de música é a que vai tomar as rédeas do poder daqui a alguns poucos anos.

Ariano Suassuna

Caravana Cultural Luiz Gonzaga. Diário de Bordo(1)  

Arte: Maxivel Ferreira

Zezito de Oliveira · Aracaju, SE
4/11/2012 · 6 · 1
Boa Tarde em São Cristóvão! A Caravana Luiz Gonzaga agradece a acolhida, deixando e levando saudades.

Foi com bastante alegria que a trupe da Caravana Luiz Gonzaga aportou nesta terça-feira (30 de Outubro) na Escola Gaspar Lourenço (Apicuns) e no Espaço Cultural do Convento do Carmo (centro histórico) para realizar mais um dia de difusão cultural e formação educacional, utilizando como tema a vida e a obra musical de Luiz Gonzaga.

Vale destacar a bela paisagem e as excelentes instalações do espaço cultural construído pelos frades carmelitas para acolher os romeiros da Festa de Senhor dos Passos, local também utilizado para outras festas e eventos culturais da comunidade.

Outro fato que deixou a equipe da Caravana bastante satisfeita foi a simpatia e a atenção dispensada ao projeto pelo professor Serginho e pela diretora Georgina.

De igual modo, os alunos do Gaspar Lourenço tiveram uma participação impecável, muito atentos durante a palestra e na exibição da sequencia de imagens e áudio.

Nesta apresentação da Caravana Luiz Gonzaga, fomos prestigiados também com a presença do Padre Soares - Paróquia São Pio X (Aracaju), do subsecretário de movimentos sociais, Chico Buchinho, do professor e proprietário da Escola de Música Santa Cecilia (Aracaju), Sr. José de Deus Santos, da Sra. Eliene Marcelo, responsável pela recepção aos turistas que visitam a cidade patrimônio histórico da humanidade e do jovem Denisson, acadêmico do curso de História da UFS (Universidade Federal de Sergipe).

Outro motivo de alegria é ser São Cristóvão a cidade natal de Zezito de Oliveira, idealizador do projeto e coordenador de produção da Caravana Luiz Gonzaga. A cidade mantém tradições e possui um conjunto arquitetônico bastante inspirador para o florescimento de iniciativas culturais, a exemplo do Festival de Arte de São Cristóvão, um dos eventos mais importantes para cultura brasileira nas décadas de 70 e 80 do século XX.

Da mesma forma, o verde e as águas que ocupam a paisagem é um patrimônio que precisa ser reconhecido e garantido pela população da cidade, inclusive por seu potencial econômico de gerar emprego e renda para seus habitantes.

A expectativa é que a nova administração, a ser empossada em 01 de janeiro de 2013, compreenda que o patrimônio cultural e natural de São Cristóvão tem o potencial de melhorar a autoestima da sua população, prevenir o uso do crack e outras drogas pesadas, diminuir os índices crescentes de criminalidade e violência e, especialmente, de aumentar as oportunidades de emprego para a juventude sancristovense .

A Associação Cultural (Ação Cultural), sediada em São Cristóvão, colabora com estes objetivos participando da comissão organizadora do movimento de retomada do Festival de Arte de São Cristóvão, realizando a oficina de artes cênicas no Conjunto E. Gomes, que beneficia diretamente cerca de 30 crianças e adolescentes. Além disso, a Ação Cultural promove a realização da Caravana Luiz Gonzaga, que contempla 04 escolas sediadas no município e tem por meta atingir diretamente 500 alunos de escolas públicas da região.
(Zezito de Oliveira)

A caravana nas escolas Valnir Chagas(Aracaju) e 24 de Outubro (Aracaju).

O amor as paisagens da natureza, o som da sanfona que conquistou o Brasil vai novamente adentrar o espaço de duas escolas públicas de Aracaju. O projeto “Caravana Luiz Gonzaga vai à Escola” esteve na terça-feira (23) na instituição de ensino Valnir Chagas com apresentação musical e exposição fotográfica.

Já na quarta-feira (24) a vida de obra de Luiz Gonzaga será motivo de celebração na Escola 24 de Outubro, no Bairro 18 do Forte. “Nada melhor do que um projeto como esse para comemorar o aniversário da escola.
Sou um apaixonado por Luiz Gonzaga e é importante os alunos verem e entenderem a trajetória de Luiz Gonzaga”, disse o professor Jerônimo de Andrade Leite, que dirige a escola desde 2009.

OCUPANDO ESPAÇOS – O diretor Jerônimo acredita que é importante olhar a escola como um espaço comunitário que deve ser ocupado com boas atividades. “As escolas devem ter mais experiências positivas e precisa ser mais explorada com coisas boas”, afirmou.

E quem vai ocupar a Escola 24 de Outubro será o trio Casaca de Couro que após a palestra do pesquisador José Augusto de Almeida apresentará um repertório cantando a vida de Luiz Gonzaga através da obra do sanfoneiro pernambucano. Outro destaque também vai para apresentação da coreografia “Cartinha de Seu Luiz” dançada pelos jovens do Ponto de Cultura Juventude e Cidadania. A coreografia é baseada em vários fragmentos de músicas conhecidas de Luiz Gonzaga como “Xote das Meninas” e “Triste Partida”.

Para professora Lucivânia Silva Santos a música e a dança foi um dos pontos altos da passagem da Caravana Luiz Gonzaga pela Escola Valnir Chagas. “Despertou bastante o interesse deles. Na sala de aula os alunos já haviam produzido um livrinho e redações sobre Luiz Gonzaga”, afirmou Lucivânia que dá aulas de redação e língua portuguesa nas escolas.

O projeto Caravana Luiz Gonzaga vai à escola é uma realização da ONG AÇÃO CULTURAL com patrocínio da Funarte e pretende passar em 10 escolas de Aracaju, São Cristóvão e Nossa Senhora do Socorro até dezembro de 2012.
(Thiago Paulino)

Caravavana Leva o Rei do Baião à Escola Antônio Fontes Freitas.

A Caravana Luiz Gonzaga chega nessa próxima terça feira (16) na Escola Antônio Fontes Freitas, localizada no município de Nossa Senhora do Socorro. A exposição com 30 fotos contando a vida e obra de Luiz Gonzaga será montada durante a tarde na instituição de ensino. No turno da noite haverá palestra com o pesquisador José Augusto de Almeida e apresentação do trio Casaca de Couro.

Para o professor Gilvan Rosa que dá aula de história na escola esse tipo de projeto é sempre boa surpresa. “Infelizmente não temos muitos projetos desse tipo nas escolas. Mas vai ser importante para que os alunos se reconhecerem na própria cultura e como sujeitos da sua história”,afirmou.
O público da escola que terá acesso a Caravana será de adolescentes e adultos do supletivo. “Para eles será novidade porque geralmente essas turmas não tem oportunidade de ver exposições e projetos como esse. Isso porque geralmente eles trabalham o resto do dia”, afirma o professor.

INTERAÇÃO - Segundo Gilvan Rosa a interação dos alunos com a Caravana será uma boa oportunidade de trocar e adquirir novas experiências. Esse intercâmbio ajudará os alunos a fazer atividades que vão além da sala de aula. “Já vinha trabalhando nas aulas de história algumas coisas sobre Luiz Gonzaga desde o começo do ano e a interação com a Caravana será muito boa. No próximo ano quero fazer um projeto que discuta sobre os 20 anos do Forró Siri”.
(Thiago Paulino)

A Caravana Luiz Gonzaga com o pé na estrada.

Muito feliz por ter estado ontem (12 de setembro de 2012) na Escola Estadual Petrônio Portela, no Conj. A. Franco, realizando o primeiro itinerário da Caravana Cultural Luiz Gonzaga Vai a Escola, após a realização do sensacional lançamento que ocorreu no dia 31 de Agosto no Museu da Gente Sergipana.

A razão maior disso tudo é poder estar contribuindo para unir arte e educação, cultura e cidadania com qualidade pedagógica e estética , ajudando escolas, artistas e grupos culturais na busca de laços, vínculos e pontos de convergência que possam fortalecer estes encontros e alianças.

Outro motivo de grande alegria foi o fato da escola está situada próximo ao Complexo Cultural “O Gonzagão”, local de realização das Semanas Luiz Gonzaga durante os anos de 2007 e 2008 e uma das iniciativas que serviram de inspiração para a elaboração do projeto da Caravana Luiz Gonzaga.

Também contamos com a presença da Dona Genilda, fundadora e presidente da quadrilha Asa Branca e alguns componentes, uma das duas sediadas no local, e que também estiveram presentes na noite de lançamento no Museu da Gente.

Na fala de abertura registramos a ausência/presença do professor José dos Santos, patrono da biblioteca da escola. A ausência se deve a morte prematura do profissional que ocorreu há cerca de três anos , com a idade de 54 anos, e a presença por causa da importância que o professor dava ao convite realizado as escolas da região, quando da realização das Semanas Luiz Gonzaga e pelo fato da Caravana Luiz Gonzaga Vai a Escola, ser um sonho também compartilhado com ele e que vai se tornando realidade.

Na ocasião, também foram lembrados aqueles que estão contribuindo para a realização da iniciativa, a Fundação Nacional de Arte – Ministério da Cultura, patrocinador oficial e os apoiadores locais, Fundação Aperipê, Museu da Gente Sergipana/Instituto Banese, Banco do Nordeste, Sebrae, Centro de Criatividade e Secretaria de Estado da Educação.

Por último a colaboração da articuladora local, professora Fátima Viana e a da direção, professora Célia e equipe técnica e funcionários da escola. A equipe do projeto, foi lembrada nas pessoas de Ana Lúcia e Irene Smith, assistentes de produção.

E como no dia do lançamento, a palestra do professor José Augusto e as apresentações artísticas das meninas do Ponto de Cultura: Juventude e Cidadania e do Trio Casaca de Couro deixaram um gosto de quero mais.

A diretora da escola, professora Célia, solicitou que voltássemos outras vezes aquela unidade de ensino com ações semelhantes e que não esquecêssemos das outras escolas que não foram contempladas este ano com a Caravana Luiz Gonzaga.

Dito e feito, nesta perspectiva, já estamos elaborando um segundo itinerário para o próximo ano e com o sucesso da edição 2012, acreditamos que obteremos sucesso na obtenção dos novos recursos financeiros necessários para tal empreitada.

Dentro de mais alguns dias, estaremos publicando as datas das nove escolas restantes da edição 2012 e para mais informações sobre a Caravana Luiz Gonzaga e sobre dicas de utilização da vida e da obra musical de Luiz Gonzaga em sala de aula, recomendamos que acessem o blog: http://caravanaluizgonzaga.com.br
(Zezito de Oliveira)

Caravana Luiz Gonzaga vai passar amanhã na Escola Petrônio Portela no Augusto Franco.

A aula de quarta feira a noite vai ser diferente na Escola Petrônio Portela, localizada no Conjunto Augusto franco, Zona Sul de Aracaju. A instituição vai ser a primeira a ser visitada pela “Caravana Luiz Gonzaga vai à Escola”, projeto realizado pela Ação Cultural e contemplando pelo prêmio Funarte em homenagem ao centenário Luiz Gonzaga.

Por volta das 14h uma exposição de aproximadamente 30 fotos de várias fases da vida de Luiz Gonzaga será aberta com um cenário que remete ao interior: mural que lembra casa de taipa, esteiras de palha. As fotos retratam a família, momentos de Era de Ouro das Rádios, o sanfoneiro com sua roupa em homenagem aos vaqueiros e imagens do local onde o Luiz Gonzaga nasceu.

Durante a noite o pesquisador e apaixonado pela obra do Rei do Baião, José Augusto de Almeida, fará uma palestra contando diversos fatos da vida do sanfoneiro e sua importância na música brasileira. Após a palestra adolescentes das oficinas do Ponto de Cultura Juventude e Cidadania farão apresentação de dança. A noite será fechada com um repertório especial selecionado pelo trio Casaca de Couro com belas músicas do Rei do Baião.

Expectativa – cerca de 100 alunos do turno da noite estarão também assistindo e conhecendo a Caravana. A professora de português da Escola Petrônio Portela, Fátima Viana, acredita que o projeto terá uma boa receptividade pelos alunos. “Acredito que eles vão gostar. A gente fez uma gincana cultural uma vez e a resposta foi muito legal. Eles participaram bastante e apresentamos a dança de São Gonçalo. Se dizem que Sergipe é o pais do forró nós precisamos conhecer Luiz Gonzaga. O forró é a nossa cultura e precisamos valorizar”, destaca a professora.

Pedagoga responsável pelo turno da noite a professora Acácia Maria Santos acredita que o projeto da caravana merece apoio porque auxilia aos alunos a fazerem novas leituras de mundo. “O contato com elementos da obra de Luiz Gonzaga contribuirá para a formação dos nossos alunos e poderá suscitar o interesse pelas manifestações culturais nordestinas mais autênticas. Luiz Gonzaga é um ícone da cultura brasileira, não apenas da nordestina, seja pelo repertório, pelo estilo implantado, pelo que ele representou para o Nordeste, apresentando a realidade do nosso povo às outras regiões do Brasil”, afirmou.
(Thiago Paulino)

A CARAVANA JÁ PARTIU… NOITE DE LANÇAMENTO

O nome dele era Luiz porque nasceu no dia de Santa Luzia, 13 de dezembro de 1912, Gonzaga porque o padre era devoto de São Luiz Gonzaga, e Nascimento porque nasceu no mesmo mês de Jesus (…) A gente poderia dizer que existe o Nordeste antes e depois de Luiz Gonzaga.”
Essa foi uma das histórias contadas pelo professor e pesquisador José Augusto de Almeida no lançamento da Caravana Luiz Gonzaga Vai à Escola. O evento aconteceu na última sexta no Museu da Gente Sergipana e foi uma mostra da Caravana que pretende levar música, dança, fotografias e histórias do Rei do Baião à dez escolas da Região Metropolitana de Aracaju.

Durante a abertura idealizador do projeto, Zezito de Oliveira, fez uma viagem até a sua infância para ressaltar como pode ser importante educar também pela arte. “Quando eu era criança uma memória forte que tenho da minha escola era uma apresentação de bonecos e uma apresentação musical de um grupo de jazz”.

Para Zezito , às vezes, essa forte memória até incomodava. “Eu me perguntava por que, em alguns momentos, eu lembrava mais disso do que dos conteúdos das matérias. Talvez pelo fato do que marque bem as pessoas é a arte, a música. Precisamos pensar mais na educação pela arte. ”

Histórias do Velho Lua e lançamento do site
Durante o evento também foi lançado e apresentado o Blog da Caravana [link para caravanaluizgonzaga.com.br] pelo webdesigner Jefeson Melo e com ilustrações de Maxi Ferreira. O blog funcionará como um diário de bordo da Caravana e tem como objetivo dar suporte de informações para professores e alunos.

No pátio interno do Museu foi montado parte da exposição fotográfica itinerante com banners sobre várias fases da vida de Luiz Gonzaga selecionadas “a dedo” pelo colecionador José Augusto de Almeida.

E se depender do conteúdo da palestra de José Augusto, boas histórias do Rei do Baião estão garantidas para os alunos das escolas públicas. O pesquisador mostrou vídeos, contou histórias de várias fases de Luiz Gonzaga e da Serra do Araripe onde o sanfoneiro nasceu. No público presente estava também a garotada das oficinas de dança do Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, vinculado a Ação Cultural – Instituição realizadora da Caravana. Crianças e adolescentes cheios de energia dos bairros Eduardo Gomes e Conjunto Jardim estavam na expectativa da próxima etapa do lançamento.

DA PLATÉIA PARA O PALCO
Isso porque os jovens saíram da condição de platéia para serem destaques, pois era o momento das apresentações de dança. Um desses meninos é Iago Bezerra, de 12 anos, que se vestiu com uma roupa que lembrou a indumentária de Luiz Gonzaga. Iago conta que achou interessante se apresentar e na oficina de dança do Ponto de Cultura já fez muitos amigos. A coreografia que Iago e seus amigos do bairro Eduardo Gomes apresentaram foi “Cartinha a Luiz” , coordenada pelo professor Carlos Henrique, e trabalhou vários fragmentos de músicas.

O segundo grupo, formado pelas meninas da oficina do Conjunto Jardim, apresentou “O despertar das meninas”, coreografia criada pela professora Cristiane dos Anjos, que tinha como trilha a música “Xote das Meninas” . Depois da apresentação quem não parava de bater fotos de celular com suas colegas era Kelly Stefani, de 14 anos, “gostei muito de dançar, antes conhecia Luiz Gonzaga só de nome”. Próximo a Kelly, estava seus pais cheios de orgulho. “É importante levar cultura para a educação”, disse o pai Laércio Ferreira.

ARTE NAS ESOCOLAS
Presente no evento estava também um dos acordeonistas mais bem conceituado no estado, Evanilson Vieira, o “maestro” da orquestra Sanfônica de Aracaju. Evanilson destacou que o projeto é uma provocação para a música ser levada às escolas.

“Esse trabalho é importante porque o jovem gosta de Luiz Gonzaga, mas para gostar ele precisa primeiro conhecer. Outra coisa importante é que existe a uma lei que estabelece música nas escolas e projetos como esse pode servir de provocação para que o poder público cumpra essa lei”.

E a Caravana Luiz Gonzaga já está empolgando o coordenador pedagógico da Escola Júlia Teles de Nossa Senhora do Socorro, Emanuel Braga. “Iremos trabalhar Luiz Gonzaga como conteúdo transversal com vários professores. Queremos dar continuidade às ações da Caravana”, afirmou. E uma das ferramentas que possivelmente poderá ser utilizadas é uma Cartilha que vem sendo elaborada pela equipe da Caravana com sugestões para trabalhar as músicas de Luiz Gonzaga nas escolas.

CASACA DE COURO E PRÓXIMA PARADA…
A noite do lançamento foi encerrada com a apresentação da Banda Casaca de Couro, de figurino inspirado em Luiz Gonzaga, com um repertório clássico do Rei do Baião e outras músicas não tão conhecidas do grande público. A animação de casais que se arriscaram no passo do forró contagiou o espaço.

A próxima parada da Caravana Luiz Gonzaga está prevista para o dia 12 de setembro na Escola Estadual Petrônio Portela, no Conjunto Augusto Franco. A expectativa já é grande.

O projeto Caravana Luiz Gonzaga vai à Escola é realizado pela Ação Cultural e foi contemplado no prêmio Funarte do Centenário de Luiz Gonzaga e teve como apoiadores no Lançamento o Instituto Banese, Banco do Nordeste, Centro de Criatividade, secretarias de Estado da Educação e Cultura, Fundação Aperipê e SEBRAE.
(Thiago Paulino)

LEIA TAMBÉM:

SANFONA AFINADA... A AULA VAI COMEÇAR. Aqui

LANÇAMENTO DA CARAVANA CULTURAL LUIZ GONZAGA. Aqui

Cem anos de Luiz Gonzaga, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)
Publicado em julho 11, 2012 por 

Estátua de Luiz Gonzaga em Campina Grande, na Paraíba. Foto: UOL
Estátua de Luiz Gonzaga em Campina Grande, na Paraíba. Foto: UOL

Fonte: Portal EcoDebate
[EcoDebate] Estamos celebrando aqui no Nordeste os cem anos do nascimento de Luiz Gonzaga. Nasceu em 13 de Dezembro de 1912. Além da dimensão artística, é indubitável o papel de sua música na difusão do imaginário sobre o Nordeste, inclusive do ponto de vista ambiental e social.
Fiz com Targino Gondim e Nilton Freitas o CD “Belo Sertão”, numa tentativa de valorizar a importância social da música de Luiz Gonzaga. Fizemos um diálogo de composições como o pout pourri de Asa Branca (Asa Branca, Triste Partida e Volta da Asa Branca), Súplica Cearense, Jesus Sertanejo, Riacho do Navio, etc. Fomos dissecando o que significa cada uma dessas músicas nesse contexto, porque elas existem, qual a razão de tanta celebridade desses clássicos nordestinos. Ao mesmo tempo, na lógica da convivência com o semiárido, compusemos – inclusive com outros compositores – Água de Chuva, Beleza Iluminada, Belo Sertão, Boato Ribeirinho, Estalo de Fogueira e outras.
Curioso como esse trabalho se difundiu no Nordeste muito mais nas escolas, universidades e setores da educação popular que propriamente no mundo do show business. Há inclusive monografias de mestrado estudando o semiárido a partir da música, influenciadas pelo que viram e ouviram no CD.
Foi Luiz Gonzaga, junto com seus poetas como Zé Dantas, Patativa do Assaré e Humberto Teixeira – muitos outros – que divulgaram o sertão nordestino que está no imaginário do povo brasileiro. Claro que pintores como Portinari, poetas como João Cabral de Melo Neto, romancistas como Graciliano Ramos, dramaturgos como Ariano Suassuna, se somaram nessa divulgação, mas como uma crítica à crueldade da fome e da sede que pairavam sobre o semiárido.
Hoje temos a convivência com o semiárido. Acabamos com as grandes migrações, as frentes de emergência, a mortalidade infantil, os saques. Mesmo numa seca como essa, a tragédia social já não reina como nos tempos da “Asa Branca”.
A música de Gonzaga continua viva por ser uma obra prima da cultura popular, mas a nossa realidade mudou. Há muito por caminhar, mas grande parte do caminho foi feito. Gonzaga gostaria de ver a volta de grande parte dos migrantes nordestinos para o Nordeste.
Sem perdermos nossas raízes culturais, principalmente a musical, hoje já podemos fazer novos baiões, novos xotes, novos rastapés, um novo forró, para a alegria nordestina que nunca morre.
Nesses cem anos de nascimento de Luiz Gonzaga, o Rei do Baião vai fazer a festa no céu enquanto nós a faremos aqui na Terra, até o dia que Deus permitir.
Roberto Malvezzi (Gogó), Articulista do Portal EcoDebate, possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco.

Beleza Iluminada  

1
Zezito de Oliveira · Aracaju, SE
17/9/2011 · 5 · 5
A cena das mulheres carregando suas latas de água na cabeça é clássica. A beleza rude da cena não pode ocultar todo o sofrimento imposto ao corpo feminino. Começando desde criança, as mulheres carregarão em sua pele, em seus músculos, em seus ossos a dureza desse trabalho repetitivo e pesado. Com o passar dos anos alargam-se os ombros, enrijecem-se as batatas das pernas, aparecem os problemas de coluna. A cena, porém, tem sua beleza. Caminhando esguias e retilíneas, forçadas pelo equilibrio da lata d'água sobre a cabeça, é praticamente um desfile sobre as estradas calcinadas do sertão. Para alguns também é um momento em que as mulheres se encontram a sós, longe dos homens e onde podem conversar a vontade seus problemas pessoais.  Ouça e/ou baixe.  AQUI

Água de Chuva  

Zezito de Oliveira · Aracaju, SE
7/9/2011 · 5 · 6
Essa música foi e é fundamental na cultura semi-árida. Ela é artisticamente original e linda, socialmente densa, registra a crueldade da realidade, a manipulação política, mas não aponta saídas, exatamente porque naquela época, não se tinha claro as saídas. Mas hoje elas existem. Por isso, sem a pretensão de alcançar o nível artístico desses homens, já se faz música falando da convivência com o semi árido, afirmando claramente que a vida aqui é possível sempre, com dignidade, desde que a adaptação ao ambiente seja feita com respeito a natureza e associando-se a ela, não combatendo-a. Um dos segredos chaves da convivência com o semi-árido é guardar a água no momento das chuvas e tê-la nos momentos em que naturalmente não chove. Ouça e/ou baixe  AQUI


Música do CD Belo Sertão, para saber mais, clique aqui
Caravana Cultural Luiz Gonzaga vai à Escola.  

3Zezito de Oliveira · Aracaju, SE
16/5/2012
Formidável!! A Ação Cultural é selecionada em outro edital de projetos culturais. Desta vez foi a seleção para projetos destinados a celebrar o centenário de Luiz Gonzaga. 

Segundo o site da Fundação Nacional de Artes (Funarte) foram inscritos quase 600 projetos de todo o Brasil, dos quais 20 projetos foram selecionados em duas categorias: até R$50.000,00, na qual a Ação Cultural foi contemplada, e acima deste valor, até R$100.000,00.

Por região geográfica, Sergipe e Pernambuco se destacaram no nordeste com dois projetos selecionados em cada estado. Em geral, os projetos selecionados apresentam uma grande diversidade de linguagens artísticas e formatos: Audiovisual, exposições, oficinas, shows musicais, dança, teatro, artes integradas, rádio, livros e etc..

Vale destacar, dentre os premiados, a presença de Lua (espetáculo de Antônio Nóbrega), um dos artistas brasileiros mais reconhecidos pelo talento e compromisso com a produção artística ancorada na tradição cultural nordestina.

Leia mais:

http://www.overmundo.com.br/overblog/caravana-cultural-luiz-gonzaga-vai-a-escola-1


ATENÇÃO: Devido ao sucesso do Prêmio Funarte Centenário de Luiz Gonzaga 2012 e de nova disponibilização de recursos, a Funarte estendeu a premiação a dez projetos suplentes, conforme o critério de ordem de classificação. A suplementação orçamentária, prevista no ítem 7.7 do edital do programa, ocorreu por causa da grande quantidade e ótima qualidade dos projetos habilitados.
Foi publicado, no Diário Oficial da União de segunda-feira, 4 de junho de 2012, o resultado final do Prêmio Centenário Luiz Gonzaga 2012.
Acesse a relação de contemplados aqui


Para pesquisar a vida e a obra de Luiz Gonzaga, clique AQUI e  acessar o site mais completo sobre o assunto.
"Seu Lua! Seja bem-vindo ao presente e à imortalidade de sua arte, nas páginas e nos links deste site. Para Sempre!"  Um forte abraço, Paulo Vanderley Tomaz.


Outra fonte de pesquisa e informação são os artigos do colecionador e pesquisador musical Abilio Neto no portal overmundo. AQUI.


Para quem quer pesquisar informações gerais sobre o nordeste. A dica é AQUI.


Patrick Torquato

Mês de Junho chegou, escute o melhor do forró de Luiz Gonzaga aki 
Jornal da Globo 03/02/2012 Coluna de Nelson Mota 


Assista a reportagem, AQUI


Assista também:

SOM  BRASIL - Especial Gonzagão

Mosaicos - A Arte de Luiz Gonzaga

Sugestões enviadas por Àlvaro Pantoja (Porto - PT/Olinda PE-BR)

1. O REINADO DE LUIZ GONZAGA na música brasileira
2. DOCUMENTÁRIO comentado -  Luiz Gonzaga O Rei do Baião
3. HOMENAGEM A LUIZ GONZAGA O REI DO BAIÃO
Programa Sr. Brasil, homenageando Luiz Gonzaga. Texto de Aldemar Paiva declamado por Rolando Boldrin. Musicas: Lua (Carlos Gomes), Boiadeiro (Luiz Gonzaga) e Asa Branca (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira), Intérprete: Ivânia Catarina. Violão (Carlos Gomes), Escaleta (Wagner Amorosino) e Percussão (Dudu Sueit).
4. SOM BRASIL Especial Gonzagão
5. 100 anos de Luiz Gonzaga

Quem tiver outras sugestões de link pode enviar para o e-mail zezitodeoliveira@gmail.com (coordenador de produção da Caravana Luiz Gonzaga).

PROJETO “CARAVANA CULTURAL LUIZ GONZAGA VAI A ESCOLA”.
RESUMO
O projeto “CARAVANA CULTURAL LUIZ GONZAGA VAI A ESCOLA’ tem como finalidade,  criar condições e oportunidades para adolescentes e jovens conhecer  e valorizar a cultura nordestina e aprender conteúdos curriculares, tendo como base a vida e a obra musical de Luiz Gonzaga.
Esta necessidade responde a demanda colocada em diversos espaços de reflexão e difusão sobre a música nordestina tradicional, em especial o Fórum do Forró e o  Encontro Cultural de Laranjeiras, onde comumente é lembrado que se percebe um distanciamento cada vez maior das novas gerações, com relação a valorização e fruição da cultura nordestina tradicional.
O projeto acontece por meio de palestras interativas e utilizando recursos multimídia  a cargo do professor José Augusto, pesquisador de notório saber com relação a vida e a obra de Luiz Gonzaga e apresentador de um programa radiofônico semanal dedicado a memória do Gonzagão,   contando com o acompanhamento musical do renomado trio pé de serra,  Casaca de Couro, exposição fotojornalistica e distribuição de uma cartilha pedagógica destinada a professores do ensino básico contendo sugestões didáticas acerca da utilização do cancioneiro de Luiz Gonzaga em sala de aula. 
Em termos quantitativo pretende-se atingir 10 escolas e 2 espaços culturais localizados no centro histórico de Aracaju (lançamento e encerramento do projeto). O público a ser atingindo é estimado em 200 professores e 2000 alunos.
O projeto em tela retoma, amplia e qualifica iniciativas realizadas com os  propósitos acima e que foram realizadas no ano de 2006 em um colégio estadual localizado na periferia da zona metropolitana de Aracaju e no Complexo Cultural “O Gonzagão” nos anos de 2007 e 2008.
A coordenação de produção está a cargo de Zezito de Oliveira, professor de história e artes, blogueiro especializado em cultura e produtor cultural  responsável pela elaboração e gestão de diversos  projetos culturais destinados a juventude residente na periferia de Aracaju e região metropolitana.

PESQUISA PARA A PROSPECÇÃO DE ADESÃO DE ESCOLAS A “CARAVANA CULTURAL LUIZ GONZAGA VAI A ESCOLA”.
Nome da Escola:.............................................................................................................
Endereço:........................................................................................................................
E-mail e telefone:............................................................................................................
Nome do diretor (a):........................................................................................................
1 – A escola realiza iniciativa ou projetos pedagógicos integrados referenciados na cultura sergipana, regional ou brasileira?
( )SIM ( )Não
Em caso positivo: Quais a(s) disciplina(s) envolvidas?
2 – Informe o(s) nome do(s) projeto(s) e do(s) professor (es) responsável (eis), além de telefones e e-mail de pelo menos dois dos principais envolvidos com o projeto ou com a iniciativa. (professores, alunos ou agentes culturais).
3 – A escola dispõe de alunos envolvidos com a promoção de iniciativas culturais dentro da escola ou na comunidade do entorno? Em caso positivo. Cite os nomes, a série e a turma (de um a cinco).
4 – A escola se relaciona com a produção cultural do entorno? De que maneira isso acontece?
5 – A escola tem interesse em receber a Caravana Cultural Luiz Gonzaga?




XI Fórum do Forró homenageará Luiz Gonzaga

Leia mais, aqui


Projetos de SE em homenagem a Luiz Gonzaga são premiados pela Funarte

Xilogravura de Elias Santos em homenagem a Luiz Gonzaga (Foto: Divulgação)

Por Carla Sousa, da Ascom/Secult 

O Edital Prêmio Centenário de Luiz Gonzaga 2012, promovido pela Fundação Nacional de Artes – Funarte, contemplou dois projetos de produtores culturais de Sergipe. Cada projeto receberá um prêmio no valor de R$ 35 mil. As ações propostas são voltadas para a disseminação da vida e obra do músico e compositor pernambucano Luiz Gonzaga. Se fosse vivo, o 'Rei do Baião' completaria 100 anos em dezembro.

Os dois projetos concorreram com outros 589 inscritos de todo o país e ficaram entre os 20 selecionados. Os dois contemplados em Sergipe foram: ‘Projeto Bom dia Gonzagão’, de Silvane Santos Azevedo, e o ‘Projeto Caravana Cultural Luiz Gonzaga vai à Escola’, da Associação Cultural (Ação Cultural), que também atua como Ponto de Cultura, com apoio da Secretaria do Estado da Cultura (Secult).
Leia mais:

Imprimir
PDF

No ano de 2012 o mundo vai comemorar o centenário do nascimento do Rei do Baião, LuizLuiz Gonzaga Gonzaga. No compasso da mobilização nacional para celebrar a vida e obra deste grande músico que vem ocorrendo em vários estados brasileiros, e especialmente os nordestinos, a deputada estadual Ana Lúcia Vieira (PT) protocolou na Assembleia Legislativa, na manhã desta quarta-feira, 26, um Projeto de Lei que pretende instituir 2012 como o ‘Ano Cultural Luiz Gonzaga’.
“Peço que esta Casa aprove com rapidez este Projeto de Lei para que em Sergipe o centenário de Luís Gonzaga seja permeado por ações e políticas de cultura voltadas para este homem que durante toda a vida disseminou ritmos como o xote, o baião, o forró, e foi o grande líder da música brasileira e nordestina”, solicitou a deputada.
No documento encaminhado, Ana Lúcia explica que o objetivo do PL é divulgar esta vertente da cultura brasileira, nordestina e sergipana em nosso Estado. No texto ela acrescenta que em 2012 o Poder Público, através da Secretaria de Estado da Cultura, poderá, em conjunto com as entidades da sociedade civil organizada, criar uma comissão de organização dos festejos, comemorações e atividades culturais alusivas ao centenário de nascimento do músico Luiz Gonzaga. “Os eventos organizativos devem envolver atividades que visem promoção de debates sobre a vida e obra de Luiz Gonzaga, como também as contribuições de ritmos como o xaxado, o baião e o forró no processo de construção da identidade cultural do Povo de Sergipe”, concluiu.

História e Arte de Seu Lua
Luiz Gonzaga do Nascimento nasceu no dia 13 de dezembro de 1912, na Fazenda Caiçara, povoado do Araripe à 12km de Exu, filho de Januário José dos Santos e Ana Batista de Jesus (Mãe Santana). Desde sua infância o pequeno Gonzaga namorava o fole de oito baixos, instrumento este, executado por “Pai Januário”, no qual começou seus primeiros acordes.

“Luiz de Januário”, “Lula” ou “Lua” como era conhecido na infância, aos 8 anos de idade substituiu um sanfoneiro em festa tradicional no terreiro de Miguelzinho na Fazenda Caiçara, no Araripe, Exu, a pedido de amigos do pai. Desde aquele dia, o garoto começou a tocar com a permissão da mãe.
Quando ainda era rapaz, vendeu sua sanfona e fugiu para Fortaleza, onde se alistou no 23º Batalhão de Caçadores do Exército, servindo no Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Pará, Ceará, Piauí, Belo Horizonte, Campo Grande e no Rio de Janeiro. Deu baixa no Exército em Minas Gerais, no dia 27 de março de 1939 e viajou para o Rio de Janeiro, para esperar o navio que o levaria a Recife, em seguida a Exu. Resolveu então a convite de um amigo, ganhar a vida tocando no Mangue, com uma sanfona de 80 baixos, uma Horner branquinha, sua primeira sanfona branca comprada em São Paulo.

Em 1940 Gonzaga conhece o guitarrista português, Xavier Pinheiros, e forma dupla tocando no Mangue e nas casas noturnas (cabarés), do Rio de Janeiro. A partir de 1941, Luiz Gonzaga já tinha o título de MAIOR SANFONEIRO NORDESTINO. Mas sofreu muito no Rio de Janeiro para se firmar artisticamente.
No dia 22 de setembro de 1945 nasceu Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior, o Gonzaguinha, fruto do amor de Luiz Gonzaga com Odaléia Guedes dos Santos, cantora e bailarina profissional do coro de Ataulfo Alves, com quem conviveu por cinco anos, pois Odaléia faleceu de tuberculose em 1952, quando Gonzaguinha tinha 7 anos.
Em 1946 com Humberto Teixeira, Luiz Gonzaga compõe e grava a primeira de uma série de 18 parcerias: NO MEU PÉ DE SERRA. O sucesso de Gonzaga com esta música começa a ser enorme, e ao mesmo tempo seu nome começa a correr pelo mundo: Europa, EUA, Japão, etc. Neste mesmo ano Luiz Gonzaga resolve então rever a família, e chega em casa pela madrugada. Fica frente a frente com Seu Januário e é interrogado: “Quem é o Sinhô? Luiz Gonzaga seu filho! Isso é hora de você chegar em casa, corno sem vergonha!?”.
Deste encontro, Luiz Gonzaga, junto com Humberto Teixeira, compõem a música RESPEITA JANUÁRIO, em homenagem àquele homem que foi o responsável pela inclinação do “negrinho fiota” para a música. Em 1947 no mês de março, Gonzaga gravou a música ASA BRANCA, que foi inicialmente refutada pelo diretor. A música ASA BRANCA começou a receber diferentes interpretações e gravações em vários países, como Israel e Itália. Em julho de 1947, na Rádio Nacional, Luiz Gonzaga conheceu Helena das Neves Cavalcanti, sua futura esposa. Em 1950, o Lua recebe dos paulistas o título de “REI DO BAIÃO” que o consagra até nossos dias. Neste mesmo ano “Lua” grava também a toada ASSUM PRETO e os baiões QUI NEM JILÓ e PARAÍBA, Gonzaga neste período está no auge de sua carreira.
Em 1972 Luiz Gonzaga recebe o título de Cidadão de Caruaru. No dia 24 de março de 1972, no Teatro Carioca Tereza Raquel – Rio de Janeiro, Luiz Gonzaga faz uma apresentação com o título: “LUIZ GONZAGA VOLTA PRA CURTIR”. Em 1977, Luiz Gonzaga entrou na Versão Brasileira da Enciclopédia Universal Britânica. Em 1981, o velho Lua recebe os dois únicos discos de ouro de toda sua carreira (vale ressaltar que é segundo Assis Ângelo e Gildson Oliveira, segundo Dominique Dreyfus Luiz Gonzaga ganhou mais discos de ouro). Em 1982 Luiz Gonzaga vai tocar em Paris a convite de Nazaré Pereira. Permaneceu em Paris dez dias, conhecendo vários pontos importantes. Em 1984, Luiz Gonzaga recebeu o PRÊMIO SHELL. Em 1985, é agraciado com o troféu NIPPER DE OURO, uma homenagem internacional da RCA.
No dia 06 de junho de 1989, Luiz Gonzaga realizou seu último show no Teatro Guararapes, do Centro de Convenções de Recife, onde recebeu homenagens de vários artistas do país e se despediu do povo nordestino com palavras simples e cheias de emoção. “Gostaria que lembrassem que sou filho de Januário e Dona Santana. Gostaria que lembrassem muito de mim; que esse sanfoneiro amou muito seu povo, o Sertão. Decantou as aves, os animais, os padres, os cangaceiros, os retirantes. Decantou os valentes, os covardes e também o amor. (...) Muito obrigado”, expressou.
O Rei do Baião faleceu no dia 02 de agosto de 1989, às 5h15 da manhã no Hospital Santa Joana, em Recife. Seu corpo foi velado na Assembleia Legislativa de Recife nos dias 02 e 03 até às 9h45 da manhã, foi velado também em Juazeiro do Norte-CE, na Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro às 17h, local onde repousa os restos mortais de Pe. Cícero Romão Batista. O corpo do Rei do Baião chegou a sua terra natal, sua querida Exu, no dia 3, à noite. Foi velado na Igreja Matriz durante a noite do dia 03 e todo o dia 04, saindo para o sepultamento no Cemitério São Raimundo no cair da tarde.




CENTENÁRIO DE LUIZ GONZAGA: SEMINÁRIO ACONTECE NESTA QUARTA

Fonte: divirta.se
A poesia e sonoridade da obra musical de Luiz Gonzaga, o eterno Rei do Baião, será contada na próxima quarta-feira, 23, partir das 18h30 no Museu da Gente Sergipana, com a realização do Seminário ‘A Contribuição de Luiz  Gonzaga na construção da Identidade cultural do povo sergipano’. Além disso, também acontece no museu a Exposição ‘Vida e obra de Luiz Gonzaga’.


Os eventos que são promovidos pela deputada estadual Ana Lúcia (PT), contará com palestra do professor e pesquisador José Augusto de Almeida e debate com o professor de história Iran Barbosa. Além da exposição e do seminário, haverá apresentação especial do Quinteto Sanfônico de Sergipe.

Leia mais, AQUI


O XI Fórum do Forró foi dez!

Divulgação
Ao final dos debates, o público presenciou um show em homenagem a Luiz Gonzaga.
4
Zezito de Oliveira · Aracaju, SE
11/6/2012 · 8 · 7
O Fórum do Forró, que aconteceu nos dias 05 e 06 de junho de 2012, em Aracaju, realizou uma homenagem ao saudoso e querido Luiz Lua Gonzaga à altura da qualidade do grande legado que o mestre deixou.

Das homenagens realizadas no centenário do Gonzagão em Sergipe, esta é uma das que merecem mais louvores, pelo fato de se ter iniciado no ano de 2002, prosseguindo, de forma ininterrupta, até o presente ano.

A outra homenagem longeva a Luiz Gonzaga e também digna de louvor é o programa Aquarela Nordestina , apresentado pelo professor José Augusto, há cerca de 20 anos, pelas ondas da Rádio Aperipê 630 AM.

UM PLANO ARTICULADO ENTRE EDUCAÇÃO E CULTURA

Proposta dos Ministérios da Educação e da Cultura, ONGs e Escolas.

Leia aqui




Leia o primeiro texto da autoria de Zezito de Oliveira sobre a proposta acima. AQUI



Exposição 100 anos Luiz Gonzaga


Em exposição na Galeria de Arte do SESC:







http://www.sesc-se.com.br/galeria-de-arte



A Secult-SE e o Ano Cultural Luiz Gonzaga

 A celebração das tradições populares por parte do Governo de Sergipe e da Secult, não se restringem ao período junino. Para este ano, já está sendo preparada uma grande festa que irá marcar o Ano Cultural Luiz Gonzaga, instituído pelo governador Marcelo Déda, em reconhecimento ao centenário do Rei do Baião. Se Luiz Gonzaga estivesse vivo, ele completaria 100 anos em dezembro. Para marcar essa data tão importante, a Secult já trabalha na preparação de um evento especial em homenagem ao grande precursor do forró.

“A nossa idéia é fazer um grande evento no mês de dezembro no espaço da Secult que leva o nome do nosso homenageado, o Complexo Cultural Gonzagão. Queremos integrar expoentes dos mais diversos segmentos artísticos para que essa não seja uma ação somente de música, já que o Rei do Baião e sua vasta obra exercem uma forte influência em diversos setores do meio cultural”, explica a coordenadora de projetos culturais e eventos da Secult, Wener Brasil.

Leia mais:

Vida de de Viajante em homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga 

 AQUI

Nenhum comentário: