VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

9 palavras e expressões contraindicadas no trabalho



Em artigo na Forbes, a autora Linnda Durre elege as palavras mais negativas de um ambiente de trabalho
Fonte: iG São Paulo | 11/05/2010 08:16


Foto: Getty Images

Se não tem nada de bom a dizer, fique quieta: expressões que denotam pouco interesse devem ser evitadas no trabalho
Em artigo publicado na Forbes.com, Linnda Durre, consultora, psicóloga e autora do livro "Surviving Toxic Workplaces" ("Sobrevivendo a Locais de Trabalho Tóxicos", em tradução literal), listou as piores nove expressões e palavras para se dizer no trabalho.

Para Sonia Carminhato, diretora de operações do Grupo Soma, empresa de consultoria em Recursos Humanos, quando uma empresa contrata um colaborador, espera que ele leve soluções. Dizer "vou ver o que eu posso fazer" e frases do tipo denotam uma predisposição a não fazer. Por isso, tome cuidado com seu discurso. "Frases assim denotam pouca proatividade", alerta. "Mas o principal é avaliar o comportamento do colaborador, não só o discurso".

Leia mais: AQUI

Curso Livre Danças Circulares da Amazônia



Estão abertas as inscrições para o Curso Livre “Danças Circulares da Amazônia”, uma realização do Ponto de Cultura Danças Circulares da Amazônia/Oscip Mana-Maní, com apoio da Secult/Programa “Pontos de Cultura do Pará” e do MINC/”Programa Mais Cultura”.São 30 vagas para arte-ducadores, professores, animadores, brincantes e profissionais de todas as áreas com atuação no Estado do Pará em projetos socioculturais e educação, com interesse nas artes e culturas populares da Amazônia-Brasil, Ética da Diversidade e Cultura de Paz, a serem trabalhadas por meio das Danças Circulares.

Com uma carga horária total de 60hs, distribuídas em 04 módulos-encontros de final de semana, de Maio a Setembro, na cidade de Belém, o curso tem como objetivo geral “Revelar e Celebrar os Brasis na Amazônia”, focalizando potencialidades identitárias, lúdicas, éticas e estéticas de nossas culturas populares, a partir da arte da dança de roda. “Do Carimbó ao Samba… Dançando a Alma Brasileira”; “Danças Circulares, Ética da Diversidade e Cultura de Paz”; “Danças Circulares da Amazônia - ReEnCantando o Nosso Mundo”; e “Amazônia PoÉtica – Danças, Cantorias, Mitos, Toques e Trocas…” são as temáticas que irão permear o aprendizado de um repertório de 45 danças do Pará, Maranhão e Amapá. Um conteúdo programático que está alinhado com as abordagens e instrumentos contemporâneos de promoção do Patrimônio Imaterial; da Diversidade Cultural dos Povos; da Cultura de Paz; e da Identidade e Diversidade Cultural Brasileira.
Saiba mais...
www.dancascircularesdaamazonia.wordpress.com