VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Todo Mundo Nasce Artista

 Todo mundo nasce artista

Aíla Magalhães

Todo mundo nasce artista
Depois vem a repressão
Não faz arte, diz a tia
Vê se deixa de invenção
Todo mundo nasce artista
Depois vem a castração
E o artista que há em nós
Vai do quarto pro porão
Todo mundo nasce artista
Depois vem a podação
E a vida fica triste,
Sem arte, sem emoção
Todo mundo nasce artista
Depois vem a piração
Alcoolismo, suicído
Doença mental, depressão
E essa doença tem cura!
Existe uma salvação!
Faça arte! faça arte!
Mesmo que sua mãe diga que não




OUVIR, OLHAR, SENTIR
Marcelo Quintanilha
(Ed. Páginas do Mar)
Preciso ler mais livros
Assistir a novos filmes
E as peças em cartaz
Sair um pouco mais
Preciso ouvir mais discos
Ver shows de outros artistas
Voltar a ir ao circo
Torcer pro trapezista
Visitar as galerias
Frequentar mais os museus
Cair na boemia
Chegar perto de Deus
Orquestras, balés e corais
Mostras e exposicões, festivais
Ouvir, olhar, sentir, bater palmas
E alimentar de luz minha alma


A clássica,

Titãs - Comida 

 



Galera da Fraternidade – Letra e Música; Reginaldo Veloso

1. Minha galera é a galera da fraternidade. Meu tempero é a fé, é o amor-liberdade.
2. O meu assunto é a vida.
È a vida, é a vida!
Caretice, aceitar essa vida-sem-vida!
3. Já é hora de a gente mudar,
esse jeito não dá pra ficar
4. É preciso muita criatividade!
Arregace as mangas com muita vontade!
Vamos investir nessa da felicidade!
Ser feliz é o destino da humanidade!...
5. Nós vamos nessa do chapa
Joãozinho Trinta:
A cultura é beleza que encanta e que agita!
6. O meu samba não vai te enganar;
Eu só canto pra vida mudar!
7. Você traz muita coisa
Então pode perder!
Vamos nessa, galera, botar pra valer!
Cada um tem um gosto e um jeito de ser!
É preciso juntar, fazer tudo render!...
8. A gente vai nessa do indio e da ecologia
Salve o verde, a beleza da geografia!
A beleza da geografia!
9. Não morreu Chico Mendes em vão,
Ressuscita em você, meu irmão!
10. É preciso muita, mas muita coragem!
Se guardar pra si mesmo
É uma grande bobagem!
Pois, no fim, quem dá vida
É quem leva vantagem!
É a galera de Cristo
Partindo em viagem!

Confira parte do áudio da composição, aqui



Que é arte?
 31.05.13

Frei Betto
Adital


Sabemos, hoje, reconhecer uma obra de arte? O que conta mais, a fama do artista ou a qualidade da obra? Quem decide o valor de uma obra, o prestígio alcançado por ela na mídia ou seus atributos estéticos?
O jornal Washington Post decidiu testar gosto e cultura artísticos do público. Levou um violinista para uma estação de metrô da capital dos EUA. Durante 45 minutos, ele tocou Partita para violino no. 2 de Bach; Ave Maria de Schubert; e peças de Manuel Ponce, Massenet e, de novo, Bach.
Eram oito horas de uma manhã fria. Milhares de pessoas circulavam pelo metrô. Quatro minutos após iniciar o concerto subterrâneo, o músico viu cair a seus pés seu primeiro dólar, atirado por uma mulher que não parou. Quem mais lhe deu atenção foi um menino que teria entre três e quatro anos de idade. Porém, a mãe o arrastou, embora ele mantivesse o rosto virado para o violinista enquanto se distanciava. Leia mais:  AQUI


Atenção, escolas e artistas!

Já estão abertas as inscrições para o programa Mais Cultura Nas Escolas. Artistas, mestres das culturas populares, cinemas, pontos de cultura, museus, bibliotecas, arte educadores e outras iniciativas culturais agora podem elaborar Planos de Atividade Cultural em diálogo com projetos pedagógicos e com os eixos temáticos do Programa.

Participe!

Saiba mais: http://www.cultura.gov.br/maisculturanasescolas









ATENÇÃO! MUDANÇAS NO PLANEJAMENTO DO SARAU MULTICULTURAL.


Em razão da realização de obras emergenciais no Clube Flamengo Circulista, a administração do local, mesmo com o esforço em realizá-las no tempo mais rápido possível, não pode prever até o dia 05 de junho (quarta-feira) a abertura do espaço em condições adequadas e satisfatórias
Diante disso, a comissão organizadora decidiu tranferir a data, ainda sem previsão. 
 Zezito de Oliveira
P/ equipe de produção do evento.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

UNE realiza a partir de hoje seu 53º Congresso



Começa hoje e vai até o próximo dia 2 o 53º Congresso da UNE (CONUNE), em Goiânia. O evento contará com as presenças do ministro da Educação e do presidente da Comissão da Anistia e secretário nacional de Justiça, Paulo Abrão, que irá analisar juntamente com os estudantes os casos de morte e tortura de lideranças da UNE no período militar.
A UNE vai apresentar neste Congresso a primeira versão do relatório da sua Comissão da Verdade, lançada em janeiro deste ano. O primeiro caso investigado é o do estudante Honestino Guimarães e a entidade já anunciou que pretende lançar uma campanha chamando órgãos e instituições para colaborar e se engajar nesta luta pelos restos mortais de Honestino.
Como explicou o presidente da entidade, Daniel Iliescu, o dossiê que será apresentado é “uma sistematização de fragmentos, muitos já conhecidos, que envolvem o estudante. Estamos compilando informações e opiniões e trazendo informações recentes ligadas à família. Além disso, a Comissão da Verdade da UNE está se empenhando para sensibilizar o Estado para descobrir o que aconteceu com Honestino".
No foco da Comissão da Verdade da UNE está o esclarecimento das mortes e torturas de pelo menos 46 ex-dirigentes. Iliescu, inclusive, destacou que esse trabalho – que merece todo apoio e aplausos – poderá se estender até 2014.
Além desta importante pauta para o país como um todo, durante o Congresso será eleita a nova diretoria da entidade e serão realizados dois encontros: o primeiro Encontro Nacional de Estudantes Cotistas e o terceiro Encontro Nacional dos Estudantes Prounistas (estudantes que contam com bolsa integral ou parcial para estudar em instituições privadas de ensino superior). A UNE, aponta Iliescu, concentra esforços para a criação de uma comissão de acompanhamento da implementação da Lei de Cotas (Lei 12.711/2012).

Assista:   http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=aaQDuheB-4E

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Ação Cultural - Já realizou um primeiro Sarau no ano de 2009

SARAU "ARTE NA GARAGEM" - SUA GARAGEM É O PALCO!


Fonte: Portal Overmundo


Reunir um grupo de pessoas para assistir a um show de artistas ligados à cultura de massa é fácil. Da mesma maneira, ir até o teatro para assistir a uma peça de teatro com artistas “globais”, também.

Os artistas da cultura de massa, incluindo os “globais”, contam com todo o aparato dos meios de comunicação e, por causa disso, em muitos casos, são os únicos dos quais a população, em especial adolescentes e jovens, têm conhecimento.

A despeito disso, o Brasil (e Sergipe não é exceção) conta com uma grande produção artística de qualidade que não consegue, salvo algumas exceções, mobilizar muita gente e, às vezes, nem mesmo um pequeno grupo para garantir presença em eventos culturais, mesmo que estes sejam de pequeno porte.

Para mudar esta situação, faz-se necessário ampliar as políticas públicas de democratização cultural, como também do acesso às novas tecnologias da informação e da comunicação, assim como fortalecer as iniciativas coletivas de artistas e produtores culturais voltadas para a formação de público.

Dentre estas iniciativas, destacam-se os saraus — uma tradição que data do período colonial e que mesmo assim nunca deixou de ser realizada. Aliás, nos últimos anos tem ressurgido com bastante força, até mesmo em alguns segmentos ligados à juventude da periferia de São Paulo e de outras grandes e pequenas cidades. Aqui em Aracaju, o mais tradicional chama-se “O Poeta, o Vinho e o Violão” produzido pelo SESC.

Nesta perspectiva, os produtores culturais João Santos e Zezito de Oliveira, com a chancela da Ong Ação Cultural, estão à frente do Sarau “Arte na Garagem”. A intenção é reunir mensalmente um grupo de pelo menos 20 amantes da cultura nas garagens e outros espaços apropriados das casas de alguns destes, palco onde o evento terá lugar.

Atrações:
Bate-papo com Verônica Sacta (que mais uma vez visita Aracaju), integrante da Caravana Internacional Arco iris por La Paz. Na oportunidade, ela falará sobre o que aprendeu e ensinou ao visitar dezenas de Pontos de Cultura espalhados por diversos estados brasileiros.
Música Krânio
Artes Plásticas – George Vieira
VideoJosé Lacierva
Poesia – Gilda Costa
Dança do Ventre Karol Mora
Ambientação Estética: João Santos

onde fica
Atelier da Irene

Aracaju-SE
quando ir
12/9/2009, às 19:30h
quanto custa
R$10.00 (pagamento antecipado)

É necessário fazer reserva.
contato
Zezito de Oliveira
UM SUCESSO!!!! A PRIMEIRA EDIÇÃO DO PROJETO “ARTE NA GARAGEM”.

A primeira edição do projeto “Arte na Garagem” foi um sucesso, reunindo arte e gente de qualidade. Quanto a esse aspecto não resta dúvida de que há muito artista produzindo biscoito fino(1) ou papa fina em matéria artistica, mesmo sem serem conhecidos do público que prefere esse tipo de arte.

Mesmo com o esforço de alguns veiculos de comunicação e de alguns gestores de espaços culturais, muito ainda precisa ser feito ou como disse Milton Nascimento e Fernando Brat : “Se muito vale o já feito, mais vale o que será”.

Por outro lado, tivemos alguns problemas com a produção, os quais precisam serem analisados e corrigidos, afim de não prejudicar a manutenção e ampliação das atuais e futuras alianças ou parcerias, formato de trabalho, sem o qual não será possivel a continuidade e a sustentabilidade da proposta.

Na próxima semana disponibilizaremos fotos, imagens de vídeo e depoimentos dos participantes da primeira edição.

Um grande abraço para todos (as) aqueles que tornaram possivel a realização da primeira edição do “Arte na Garagem”.

P.S: Importante lembrar aos que se fizeram presentes ao evento, da necessidade de entregar o depoimento sobre os aspectos positivos e negativos do mesmo, além de sugestões para aprimorarmos a proposta.

(1) Desde que o escritor Oswald de Andrade criou a expressão “biscoito fino”, ela virou sinônimo de algo selecionado, de qualidade. Como resposta aos comentários de que não era entendido pelo homem de rua, vociferou Oswald, “a massa ainda comerá do biscoito fino que eu fabrico” - profecia relembrada, 60 anos depois, por outro poeta e escritor, Geraldinho Carneiro, que ao saber que as amigas Kati e Olivia pretendiam criar uma gravadora comprometida com o supra-sumo da música brasileira, exclamou: “Mas o que vocês vão fazer é biscoito fino!”. E o batismo estava feito.


Zezito de Oliveira














ATENÇÃO! MUDANÇAS NO PLANEJAMENTO DO SARAU MULTICULTURAL.
Em razão da realização de obras emergenciais no Clube Flamengo Circulista, a administração do local, mesmo com o esforço em realizá-las no tempo mais rápido possível, não pode prever até o dia 05 de junho (quarta-feira) a abertura do espaço em condições adequadas e satisfatórias
Diante disso, a comissão organizadora estará reunida para decidir se transfere para outra data, ou para outro local. Esta decisão estará sendo divulgada amanhã(sábado).
Zezito de Oliveira
P/ equipe de produção do evento.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Para onde vai a juventude?


Autor(a): João Batista Libanio

de: R$ 27,00
por: R$ 25,11

Sinopse


A idade juvenil fascina pelo tremendo paradoxo da vulnerabilidade e da potencialidade. Na fragilidade da idade que deixa para trás a serenidade e a segurança da infância, mas ainda não atingiu a solidez da idade adulta, existe estupenda potencialidade. Precisamente porque ainda não aterrissou na maturidade, dispõe do infinito do céu para voar. Este texto se apresenta como estudo exploratório, geral e de primeira aproximação. Nele formularemos tendências presentes no mundo jovem. Estas refletem o momento cultural atual e como ele repercute no universo juvenil.

Detalhes do Produto


Autor(a): João Batista Libanio
Catálogo: Educação
Assunto: Juventude
Coleção: Juventude e libertação


Edição:
Número de Páginas: 256
Editora: Editora Paulus

Ano Lançamento: 2011
Compre  AQUI

Opinião

por MARCELO QUERINO(5 de 5 estrelas)  
Este livo é ótimo para ser trabalhado em grupos de jovens e pastorais ligadas a juventude. Com uma leitura bastante convidativa, o livro primeiramente faz comparações entre a juventude de ontem e hoje, seguida de uma análise crítica, terminando com uma orientação pastoral. Nesse esquema seguem todos os tópicos do livro, que trabalha os mais variados temas discutidos, hoje, pela juventude, pais, educadores e pastores dentro de comunidades. Dentro de uma análise, considerando todos os livros que já li, que não foram poucos, sobre jovens e juventude, este é o mais completo, porque além de analisar a situação e problemas bastante atuais, apresenta sugestões para que certas dificuldades no diálogo com o jovem possam ser superadas.

Leia também: Página especial dedicada a JUVENTUDE no blog da Ação Cultural.  AQUI


Adquira:  

VIDEO JUVENTUDE E SEUS CAMINHOS
Juventudes e seus caminhos mostra os diferentes rostos e as diversas expressões das juventudes  brasileiras, que se misturam à dor, à ousadia e à esperança. Produzido pelo Jornal Mundo Jovem como subsídio para a Campanha "Fraternidade e Juventude", da CNBB, este vídeo debate os temas que se relacionam com a vida dos jovens: educação, trabalho, drogas, projeto de vida, escolhas, e muitos outros. Um vídeo em que os próprios jovens revelam quem são, como vivem, quais são seus sonhos, seus direitos e suas ações.

Saiba mais: http://www.mundojovem.com.br/produtos/juventudes-e-seus-caminhos


“JuventudeS” da produtora Verbo Filmes.
 Tendo como eixo um debate entre jovens provenientes de diversas áreas de estudo, este DVD apresenta um verdadeiro caleidoscópio da juventude brasileira. Temas como: religião, política, violência, família, internet e outros são comentados a partir de diferentes pontos de vista, influenciados seja pelo lugar social d@s entrevistad@s, seja pelas convicções que cada protagonista construiu ao longo de sua vida.
Para facilitar o seu uso, o documentário está dividido em blocos temáticos, encerrados sempre com algumas perguntas como sugestão para o início de um bate papo.
Este DVD é um subsídio para a Campanha da Fraternidade de 2013: FRATERNIDADE E JUVENTUDE. Servirá igualmente como um instrumento de trabalho em preparação à Jornada Mundial da Juventude.

Compre AQUI

RESUMO DO LIVRO

Para onde vai a juventude?

Por J. B. Libanio, sj

O artigo apresenta uma leitura das tendências que movem os jovens na pós-modernidade: no campo pessoal; na eduação escolar/acadêmica; nas relações humanas; na cultura; trabalho; religião e política. Compreender melhor essas tendências ajudará os que trabalham com jovens a encontrar lucidez no próprio pensar e agir.

Estudar as tendências da juventude implica tríplice olhar. Num primeiro momento, registra-se como ela se comportou em idos passados não muito remotos para não se perder em considerações distantes. Num segundo momento, observa-se como ela procede no presente. E, num terceiro momento, deixa-se ao leitor jovem comprovar, em sua vida, a verdade de tal análise e aos adultos a maneira como reagir positivamente em face dela.
1. Tendências pessoais
A medicina, a psicologia, a pedagogia têm constado um deslocamento significativo no desenvolvimento físico, psíquico e espiritual dos jovens. Antes, o físico e o psíquico caminhavam a passo lento. Assim, não se percebia nenhuma dissonância. À medida que cresciam fisicamente, sentiam-se maduros para as tarefas que se lhes surgiam. Assumiam com responsabilidade já na adolescência compromissos na família, na escola e até mesmo no trabalho precoce.
Um conjunto de fatores, desde a melhor alimentação, maior cuidado médico e fisioterapêutico com o corpo, ao lado de uma cultura que propõe a juventude como fase de vida a ser prolongada o máximo possível, tem-se observado, resultando em corpos vigorosos e fortes um psiquismo frágil com menor capacidade de responsabilidade.
Tal defasagem tem-se manifestado de maneira explícita no campo sexual. O desenvolvimento orgânico do corpo os faz varões ou mulheres precoces quanto às pulsões sexuais, mas despreparados para lidar com os desejos e as solicitações do ambiente. Antes, os jovens se preparavam lentamente para o amor, com reserva em face do sexo. O amadurecimento do corpo acompanhava o processo psicológico. Atualmente, os encontros afetivo-sexuais se fazem intensos e descomprometidos. Não raro, já no primeiro encontro, sem conhecimento entre si, sem nenhuma preparação humana, eles “ficam” até a relação sexual, sem perspectiva de continuidade.
A simples substituição da palavra namorar para “ficar” denota a mudança. Namorar implica relações que se constroem lenta e progressivamente. “Ficar” explode e termina logo. Daí a multiplicação dessas experiências com diferentes pessoas sem real envolvimento entre os parceiros.
A psicologia distingue na juventude dois dinamismos complementares em sadia tensão. O dinamismo projetivo move o jovem a sonhar com o futuro. Ele imagina situações, não raro idealizadas, a ser vividas amanhã. Elas lhes oferecem energia para suportar as agruras do presente. Durante o Governo Militar ditatorial no Brasil de 1964 a 1985, jovens arriscaram a vida e a perderam em lutas idealistas por um país sem repressão, livre, socialista (Betto, 1982; Gabeira, 1980; Syrkis, 1981; 1985). A dimensão projetiva manifestou-se em grau maior.
O dinamismo explorativo volta-se para o presente. Busca exauri-lo ao máximo. O futuro se esfuma. O idealismo cede lugar para a busca sôfrega de experiências momentâneas. No momento atual, predomina nos jovens a dimensão explorativa sobre a projetiva. Vivem mais do presente que do futuro. Cansaram-se e se desiludiram de causas pelas quais se empenharam ontem. As causas atuais gozam de menor força de atração. No campo católico, o idealismo se direciona aos novos movimentos eclesiais. Ele não primam por ofertas de transformação social, mas por vida moral e religiosa de ações concretas e sem perspectiva de futuro.
O universo dos jovens situa-se diferentemente em face da tradição. A geração anterior conheceu líderes importantes que lhes ditavam palavras de ordem às quais davam adesão. Os mais velhos lhes serviam de referência. A tendência presente vai na direção oposta. Importa a própria experiência pessoal, autônoma até tocar as raias do narcisismo. Por isso, preocupam-se antes com momentos felizes, fugazes, sem preocupação com as consequências, em vez de ater-se à busca de felicidade sólida, permanente e comprovada pela experiência dos maiores.
Por prenderem-se menos às tradições, despojam-se com maior facilidade de preconceitos e tabus criados pelas gerações anteriores. Assim, assumem atitude tolerante em face de comportamentos sexuais diferentes. Não temem aventurar-se por experiências-limites no campo sexual e de grupos de risco. Não poucos tentam incursões no mundo da droga e práticas sexuais divergentes, mesmo que não pensem tornar-se dependentes químicos ou praticantes de tal tipo de sexualidade. Veem tais comportamentos com naturalidade.
Ainda nesse campo da sexualidade, a postura machista com forte acento na distinção sexual e na supremacia do masculino cede lugar para o esmaecimento das diferenças sexuais e para a crescente autoconsciência da mulher.
No comportamento psicológico, há mudanças na transparência afetiva. A geração anterior se comportava de maneira recatada na expressão da própria intimidade, especialmente no que tocava à vida sexual. Não fazia facilmente confidências. A cultura pós-moderna produz profunda transformação. Torna facilmente públicos comportamentos estritamente pessoais. O programa Big Brother, tão badalado, significa a sua expressão escandalosa e extremada. Acrescente-se a entrada dos meios virtuais em que, ora protegidos por pseudônimo, ora sem a inibição do real, jovens expõem o corpo e as experiências de maneira provocante e sem recato. Está aqui um ponto que merece atenção e cuidado por parte de pais e educadores. Tal exposição despudorada tem gerado a banalização e futilização do próprio corpo, do sexo, de relações, por natureza, íntimas.
Esconde-se nesses comportamentos outra tendência forte nos tempos pós-modernos. J. Cl. Guillebaud (1999) definiu-a como “tirania do prazer”. Esquece-se a moderação necessária na vivência do prazer e embarca-se em crescente intensificação pela via das drogas e pela exacerbação de práticas sexuais. Considera-se tudo como algo normal, fácil e sem medos, nem fantasmas.
A partir das movimentações da década de 60, os jovens tomaram a palavra, na famosa expressão de M. de Certeau (1968). E agora não querem abrir mão dela. Não aceitam ser como os jovens de antanho, que ouviam muito e falavam pouco. Agora, pretendem ser ouvidos na família, na Igreja, na sociedade. Buscam espaços para participar, falar, dizer o que sentem e vivenciam. Sabem-se diferentes dos adultos. E não se intimidam diante deles. Pelo contrário, batalham por seus valores, visão de mundo, perspectivas existenciais. Agitam os espaços tranquilos.
2. Tendências na vida escolar e acadêmica
A Escola tradicional educava os alunos para aprender o que se ensinava. Fazia-se nítido corte entre o ensinar e o aprender. Do lado do professor, vinha o ensinar. Tocava aos estudantes aprender. Lentamente a pedagogia iniciou um processo de encurtar tais distâncias, valorizando cada vez mais a liberdade, a iniciativa, a criatividade dos alunos. Adentra-se na tendência da modernidade de valorização da autonomia, da subjetividade em contraste com a submissão à autoridade e às tradições dos maiores.
Mais diretamente sobre a educação, surgem correntes que, de diferentes pontos de vista, valorizam o sujeito. C. Rogers acentua as abordagens centradas na pessoa de caráter não diretivo (Rogers, 1970a; 1970b; Rogers e Kinget, 1969). Aposta no sujeito, no núcleo básico de cada pessoa humana. Entende o educador como quem, pela via da empatia, pela compreensão, pela capacidade de perceber o outro nele mesmo e amá-lo, por relação de mútua confiança, leva o aluno a encontrar o próprio caminho, a resposta a seus problemas e a descobrir e atualizar o seu potencial de crescimento.
No Brasil, a pedagogia conscientizadora e libertadora de Paulo Freire reforça o valor do sujeito que extrojeta o dominador que o habita para encontrar a si mesmo na sua dignidade e singularidade. Opõe-se à educação bancária pelo processo de conscientização (Freire, 1975, 1982).
A pedagogia de J. Piaget colabora também nessa linha de mostrar os estágios por que passam as crianças e de elas mesmas construírem a si mesmas. Elas aprendem a partir do que são. Cabe aos professores aperfeiçoarem o processo de descoberta dos alunos.
Enfim, a Escola Nova se foi implantando, gerando nova geração de crianças, adolescentes e jovens (Wikipédia). Supera-se então a posição do professor que dita e do aluno que copia e repete. Fala-se de construção do conhecimento por parte do aluno, salientando a relação dialética entre o sujeito e objeto. Nenhum dos lados sozinho constrói o conhecimento. O construtivismo consagrou-se nesse campo (Nogueira, Pilão, 1998).
Nesse horizonte cultural, vive uma juventude que deixa para trás a pedagogia de aprender o ensinado para assumir posição crítica e cada vez menos interessada no simples aprendizado. Adquire-se o valor da autonomia, mas, sem dúvida, paga-se enorme preço de não assimilar riquezas da tradição. Impõe-se, portanto, a criação de pedagogia crítica dialética no sentido de olhar o ensinado sob o ângulo da positividade e da negatividade. O fato de passar conhecimentos feitos reflete a ambiguidade de todo ensino. Não valem eles pela força da autoridade e por si mesmos. Nisso a tendência atual mostra-se positiva em opor-se à educação bancária. No entanto, a tradição anterior comunica experiências acumuladas de valor, cuja rejeição, pelo simples fato de ser transmitida, se torna lastimável. A nova geração empobrece.
Nessa mesma direção, percebe-se a tendência de rejeitar toda disciplina da Escola, anterior ao aval dos alunos. A experiência de Summerhill quis visibilizar uma Escola em que os alunos decidissem totalmente sobre o seu modo, ritmo, vida (Wikipédia b). Houve ganhos nessa tentativa, mas pulularam os desvios e exageros. Sem dúvida, caminha-se para maior participação dos alunos na configuração da vida acadêmica, sem cair no extremo de eles serem o principal e até mesmo único protagonista. O movimento vai mais na linha de aumentar o peso decisório dos alunos.
Entre inúmeros fatores que marcam a mudança no campo da formação intelectual, acadêmica, há deslocamento significativo referente ao tipo de leitura e de escrita. Tem-se manuseado menos os livros e romances clássicos das diversas literaturas, que outrora formavam a inteligência dos estudantes, para a crescente curiosidade de manipular o universo da informação. Vivemos afogados em excesso de dados fornecidos pelos programas de busca que abundam na Internet.
Com isso, passa-se de uma cultura em que se aprendiam a escrita e a fala estabelecidas para a nova escrita da Internet e modo juvenil de falar. Nota-se sensível mudança na linguagem escrita e falada da atual geração, influenciada pelos meios de comunicação. Trava-se discussão entre os pedagogos e linguistas. Uns aceitam essas transformações sem mais, apelando pela regra fundamental de uma língua ser viva e estar em contínuas transformações. Outros batalham pela conservação de cânones gramaticais. A realidade caminha na direção da gigantesca modificação das regras do falar e escrever.
3. Tendências nas relações humanas
Na família
Ao entrar no universo das relações na família, desloca-se da família estruturada em que os filhos se encontravam normalmente com os pais para a em que apenas se relacionam. Pois ela sofre da ausência dos membros em atitudes múltiplas e diversificadas, da fragmentação, da dissolução dos laços familiares, de recasamentos, cujos filhos oscilam onde morar. Nas famílias em que a relação familiar se mantém, a mudança acontece na postura dos filhos em relação aos pais. Em lugar da antiga distância e respeito reverencial, vivencia-se relacionamento mais próximo de “amigão”. Assim, os papéis de pai e filhos, antes bem definidos, agora se confundem.
O desejo de autonomia e independência dos filhos, manifestado no deixar a casa paterna no início da maturidade, mantendo, porém, vínculos de fato, cede lugar para uma vida autônoma, sem vínculos. No entanto, eles prolongam a permanência física na casa dos pais, retardando constituir família, sem por isso deixar de manter relações afetivo-sexuais com um(a) companheiro(a).
Perdeu-se a concepção romântica do matrimônio para a compreensão realista e pragmática. Cresce o número daqueles jovens que evitam filhos para não se sentirem cerceados na liberdade para se dedicarem ao estudo, à viagens e a experiências prazerosas.
Trabalho e colegas
Quanto ao futuro profissional, assiste-se à passagem tranquila e normal de uma sociedade, escola e casa que asseguravam a disciplina e que ofereciam inserção no mundo do trabalho para a sociedade anômala, sem lugar para os jovens, a gerar incerteza do futuro e trabalho cada vez mais problemático, mesmo para quem possui curso superior.
Antes predominava convivialidade ampla com os colegas e surge a busca de grupos e tribos afins. Os encontros reais cedem espaço para o crescimento das relações virtuais por meio da Internet, e-mail, blogs, fotologs, Orkut, MSN, Skype, webcam, YouTube, Twitter, Facebook, torpedos, celular etc. Convivem no mesmo espaço e tempo, em vez de única idade cultural, companheiros de várias idades culturais sob o impacto da globalização massificante.
4. Tendências no mundo cultural
Ainda mais significativas se mostram as tendências culturais. A consciência ética, histórica e utópica das gerações da década de 60 esmaece em prol da acentuação extremada do presente. Os sonhos de futuro se desfazem em nome do realismo de concentrar-se no prazer, cada vez mais intenso, das aventuras do momento.
Tendência semelhante manifesta-se no campo da verdade. Influencia os jovens o movimento atual de substituir a verdade pela beleza, pela estética. O bonito vale mais do que o verdadeiro. Oculta-se facilmente a verdade sob a aparência do belo. Com isso, também, as certezas perdem importância com a relativização das verdades. Interessa mais ao jovem o que ele acha de alguma coisa do que o que essa coisa é por ela mesma.
Em parte, tal nova maneira de pensar se origina de posturas que os jovens adquirem em face das tradições, quer mantidas pelas instituições, quer transmitidas pelos mais velhos. Relativizam-nas em nome da própria maneira de vê-las, conhecê-las e senti-las. Afeta tal comportamento o fato de a juventude de hoje, diferentemente da de antes, perder o sentido de normatividade da natureza, substituindo-a pela tecnologia.
O mundo cultural atual tem produzido outras tendências nos jovens. Em vez de se alimentarem da cultura tradicional ocidental, fortemente marcada pela dualidade, predomina a busca de conciliação, unidade, tolerância até certo monismo oriental. Isso não impede, porém, algo paradoxal. A procura do pensamento unificante vindo do Oriente choca-se com o pesado sentimento de fragmentação que os afeta em todos os campos. Portanto, tendência quase contraditória do sonho de um Todo harmônico e a experiência de uma realidade feita aos cacos.
Perde-se a estabilidade que os tempos antigos permitiam. Entra-se em vida agitada a provocar aventuras esporádicas no tríplice campo do sexo, da violência e da droga até as raias do crime.
Indo mais fundo na cultura, percebe-se a mudança na concepção de tempo e de lazer, antes ligada à natureza, para crescente ocupação do tempo especialmente pela presença das ofertas lúdicas da eletrônica. O próprio esporte tem adquirido formas crescentemente competitivas.
Enfim, assistimos à substituição dos silêncios e dos sons da natureza pela crescente e permanente presença de músicas barulhentas e ruidosas, potencializadas pelos recursos eletrônicos.
5. Tendências no mundo religioso
Na experiência religiosa, a tendência se manifesta paradoxalmente no processo de secularização com jovens cada vez mais alheios à esfera religiosa ou em busca sôfrega de formas religiosas, gestadas no próprio Brasil – Santo Daime, União do Vegetal e outras – ou vindas do Oriente, sem falar do neopentecostalismo evangélico, das expressões carismáticas católicas. Parece diminuir claramente o jovem tradicionalmente católico. Assim, a religião institucional cede lugar para práticas religiosas selecionadas conforme a necessidade e o gosto do momento.
Essa tendência repercute no gosto musical dos jovens. Afastam-se da música tradicional religiosa para assumir novos ritmos. Tanto no espaço católico como evangélico, toca-se e canta-se o Gospel, cuja raiz se encontra na música cristã negra dos EUA. Por meio dela, se expressa a fé individual e a comunitária.
Quer sob a forma secular ou neorreligiosa, a concepção tradicional de Transcendência, percebida em sua consistência distinta de nós, esfuma-se em insinuante imanentização. Perde-se na interioridade das pessoas ou no cosmos a partir de mística ecológica panteísta.
Destarte, a espiritualidade vivida de maneira constante, sólida, lenta e estruturada transforma-se em algo fulgurante, explosivo, breve, de curto prazo, que prefere satisfazer a afetividade a oferecer alimento para o crescimento na fé.
Tal deslocamento espiritual modifica a consciência de culpa, de pecado. A juventude presente se sente cada vez menos marcada por ela. Fala-se até mesmo de certa “nova inocência” que se manifesta em achar tudo tão natural que a ideia de transgressão, de infração, desaparece. Esbarra-se num “vale-tudo”.
Quanto à participação ativa e comprometida na Igreja, assistimos à passagem da pastoral da juventude de Ação Católica, de grupos em estilo de Cursilho, para a pastoral no interior dos novos movimentos religiosos e de momentos quentes. A Igreja, que nos tempos de Ação Católica oferecia aos jovens lugar próprio, sofre, no momento, certa hesitação e indefinição, sem propostas para eles. Encara o desafio de responder à atual pluralidade de expectativas.
6. Tendências na sociedade e política
No campo da política, desloca-se da sociedade rural e industrial com horizontes mais ou menos estáveis para a sociedade do conhecimento altamente móvel, flexível. Os jovens se surpreendem, de um lado, provocados a assumir cada vez maiores compromissos e, de outro, percebem que os canais de participação se lhes fecham.
A sociedade moderna está para ser profundamente questionada pela nova geração. Em face dela, os adultos buscam frear-lhe o ímpeto transformador que atingira ponto alto nas revoltas de 1968. Em certo momento, usaram-se os recursos da repressão militar violenta. Hoje, intentam envolvê-la em crescente aburguesamento pela força do consumismo e da sutil penetração dos meios de comunicação social. Manipulando os centros do poder, eles têm domesticado imperceptivelmente os jovens, aprisionando-os na busca fácil do prazer, da festa, das aventuras sem cunho político.
Então, tem-se visto que a juventude em grande parte tem remetido para segundo plano a consciência crítica em face da realidade social e que desposa os valores da competência, do sucesso no mercado de trabalho.
Assim, caminha-se de uma juventude consciente e fortemente politizada para uma que assume compromissos esporádicos e, sobretudo, eventos festivos. A maneira despreocupada com a aparência exterior, especialmente dos rapazes, mas também de moças engajadas politicamente, converte-se no cultivo do corpo e da beleza externa. A juventude vinculada a ideais se faz pragmática com ausência de práxis e de história.
Aquela juventude que viveu a glória dos EUA com a vitória da 2ª Guerra Mundial e considerou-os Meca da democracia, desenvolveu, em dado momento, antiamericanismo militante, com slogans como “Yankees, go home!” (“Americanos, voltem para casa!”). Agora, porém, por razão da poderosa influência americana pela mídia, os jovens assimilam cada vez mais a cultura americana, o seu way of life.
Conclusão
Aqui apontamos algumas tendências da juventude nos dias de hoje. Seguimos de perto o que tratamos no nosso livro citado acima. Além de artigos, em três momentos, preocupei-me com a pastoral da juventude em que estava parcialmente engajado. Num primeiro momento, tentei analisar os Encontros de Jovens que surgiram por ocasião da hegemonia do Movimento de Cursilhos (Libanio, 1983).
Já em tempos de pós-modernidade, detive-me em analisar a nova situação da pastoral da juventude (ibid., 2004). As novidades da situação dominante impunham repensamento da presença junto aos jovens. Esse artigo visa diretamente a outro livro situado na mesma perspectiva da pós-modernidade, mas com a intenção de perceber as tendências que movem os jovens (ibid., 2012).
Toda análise vale à medida que ela ilumina a realidade escolhida. Fica para o leitor, como escrevemos na introdução, a tarefa de verificar até onde o estudo presente lhe ilumina a realidade da juventude de hoje. A perspectiva escolhida situa-se dentro da pastoral, isto é, do agir da Igreja em relação à juventude. Os outros conhecimentos das ciências humanas contribuem para melhor entender o jovem de hoje, sem nenhuma pretensão epistemológica própria de cada uma das ciências. Aqui eles entram no espírito da interdisciplinaridade, sem ares de especialização. As reflexões sobre “Para onde vai a Juventude” cumprem sua finalidade, se elas ajudam os jovens e os que com eles trabalham a encontrarem lucidez no próprio pensar e agir.

BIBLIOGRAFIA
BETTO, F. Batismo de sangue: Os dominicanos e a morte de Carlos Marighella. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.
CERTEAU, M. La prise de parole: Pour une nouvelle culture. Bruges: Desclée de Brouwer, 1968.
FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
______. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.
GABEIRA, F. O que é isso, companheiro? Rio de Janeiro: Codecri, 1980.
GUILLEBAUD, J.-C. A tirania do prazer. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.
LIBANIO, J. B. Jovens em tempos de pós-modernidade: Considerações socioculturais e pastorais. São Paulo: Loyola, 2004.
______. O mundo dos jovens: Reflexões teológico-pastorais sobre os movimentos de juventude da Igreja. São Paulo: Loyola, 1983.
______. Para onde vai a juventude? Reflexões pastorais. São Paulo: Paulus, 2012.
NOGUEIRA, E. J.; PILAO, J. M. O construtivismo. São Paulo: Loyola, 1998.
ROGERS, C, R. La “terapia centrata – sul – cliente”: teoria e ricerca. Firenze: G. Martinelli, 1970a.
______. Tornar-se pessoa. Lisboa: Moraes, 1970b.
ROGERS, C.; KINGET, G. M. Psychothérapie et relations humaines: Théorie et pratique de la thérapie non directive. Louvain: Publications Universitaires, 1969.
SYRKIS, A. “Os carbonários”: memórias da guerrilha perdida. São Paulo: Global, 1981.
______. Brasil: Nunca mais. Petrópolis: Vozes, 1985.
WIKIPEDIA. Escola Nova. Disponível em: wikipedia.org/wiki/Escola_Nova. Acesso em 10 abril de 2012a.
__________. Summerhill. Disponível em: wikipedia.org/wiki/Summerhill_School. Acesso em 10 abril de 2012b.


J. B. Libanio, sj

* Doutor em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma. Há mais de três décadas vem se dedicando ao magistério e à pesquisa teológica. É vigário da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes em Vespaziano, na Grande Belo Horizonte-MG. E-mail: jblibanio@faculdadejesuita.edu.br.

Produção de Sentido
Frei Betto - 02/05/2013

Muitos pais se queixam do desinteresse dos filhos por causas altruístas, solidárias, sustentáveis. Guardam a impressão de que parcela considerável da juventude busca apenas riqueza, beleza e poder. Já não se espelha em líderes voltados às causas sociais, ao ideal de um mundo melhor, como Gandhi, Luther King, Che Guevara e Mandela.
O que falta à nova geração? Faltam instituições produtoras de sentido. Há que imprimir sentido à vida. Minha geração, a que fez 20 anos de idade na década de 1960, tinha como produtores de sentido Igrejas, movimentos sociais e organizações políticas.

A Igreja Católica, renovada pelo Concílio Vaticano II, suscitava militantes, imbuídos de fé e idealismo, por meio da Ação Católica e da Pastoral de Juventude. Queríamos ser homens e mulheres novos. E criar uma nova sociedade, fundada na ética pessoal e na justiça social.

Os movimentos sociais, como a alfabetização pelo método Paulo Freire, nos desacomodavam, impeliam-nos ao encontro das camadas mais pobres da população, educavam a nossa sensibilidade para a dor alheia causada por estruturas injustas.

As organizações políticas, quase todas clandestinas sob a ditadura, incutiam-nos consciência crítica, e certo espírito heroico que nos destemia frente aos riscos de combater o regime militar e a ingerência do imperialismo usamericano na América Latina.

Quais são, hoje, as instituições produtoras de sentido? Onde adquirir uma visão de mundo que destoe dessa mundividência neoliberal centrada no monoteísmo do mercado? Por que a arte é encarada como mera mercadoria, seja na produção ou no consumo, e não como criação capaz de suscitar em nossa subjetividade valores éticos, perspectiva crítica e apetite estético?

As novas tecnologias de comunicação provocam a explosão de redes sociais que, de fato, são virtuais. E esgarçam as redes verdadeiramente sociais, como sindicatos, grêmios, associações, grupos políticos, que aproximavam as pessoas fisicamente, incutiam cumplicidade e as congregavam em diferentes modalidades de militância.

Agora, a troca de informações e opiniões supera o intercâmbio de formação e as propostas de mobilização. Os megarrelatos estão em crise, e há pouco interesse pelas fontes de pensamento crítico, como o marxismo e a teologia da libertação.

No entanto, como se dizia outrora, nunca as condições objetivas foram tão favoráveis para operar mudanças estruturais. O capitalismo está em crise, a desigualdade social no mundo é alarmante, os povos árabes se rebelam, a Europa se defronta com 25 milhões de desempregados, enquanto na América Latina cresce o número de governos progressistas, emancipados das garras do Tio Sam e suficientemente independentes, a ponto de eleger Cuba para presidir a Celac (Comunidade do Estados Latino-Americanos e Caribenhos).
Vigora atualmente um descompasso entre o que se vê e o que se quer. Há uma multidão de jovens que deseja apenas um lugar ao sol sem, contudo, se dar conta das espessas sombras que lhes fecham o horizonte.

Quando não se quer mudar o mundo, privatiza-se o sonho modificando o cabelo, a roupa, a aparência. Quando não se ousa pichar muros, faz-se tatuagem para marcar no corpo sua escala de valores. Quando não se injeta utopia na veia, corre-se o risco de injetar drogas.

Não fomos criados para ser carneiros em um imenso rebanho retido no curral do mercado. Fomos criados para ser protagonistas, inventores, criadores e revolucionários.

Quando Hércules haverá de arrebentar as correntes de Prometeu e evitar que o consumismo prossiga lhe comendo o fígado? “Prometeu fez com que esperanças cegas vivam nos corações dos homens”, escreveu Ésquilo. De onde beber esperanças lúcidas se as fontes de sentido parecem ressecadas?

Parecem, mas não desaparecem. As fontes estão aí, a olhos vistos: a espiritualidade, os movimentos sociais, a luta pela preservação ambiental, a defesa dos direitos humanos, a busca de outros mundos possíveis.

*Frei Betto é escritor, autor do romance “Minas do Ouro” (Rocco), entre outros livros. Página e Twitter do autor: http://www.freibetto.org/ - twitter:@freibetto.

Conheça o Mundo Jovem



O que é o Mundo Jovem?

O Mundo Jovem é um "jornal de ideias", publicação da PUCRS. O Mundo Jovem não é uma empresa, não tem fins lucrativos e não veicula publicidade. Veicula textos que servem como subsídio para debates e reflexões de grupos e também nas escolas, sobretudo nas disciplinas humanísticas (Ensino Religioso, História, Geografia, Psicopedagogia, Sociologia, Filosofia, Língua Portuguesa etc.), especialmente no Ensino Médio.
 

Que temas são tratados pelo jornal Mundo Jovem?

O jornal Mundo Jovem trata de temas voltados à vida do jovem e à Educação, sendo um subsídio para professores e alunos do ensino Fundamental e Médio. Trata temas como: Arte e Cultura, Ciências Naturais, Datas Comemorativas, Educação, Educação Ambiental, Ensino Religioso, Filosofia, Geografia, História, Juventudes, Língua e Literatura, Política e Cidadania, Psicopedagogia, Realidade Brasileira,  Saúde e Bem-Viver, Sexualidade e Sociologia.
 

Quantos jornais são editados por ano?

São editados 10 jornais ao ano, um por mês, de fevereiro a novembro.
 

Qual é a forma de apresentação do Mundo Jovem?

O Mundo Jovem tem formato de revista, porém suas folhas não são grampeadas e por isso o chamamos jornal. Tem no total 24 páginas.
 

Como devo proceder para ser assinante e como efetuar o pagamento?

Basta se cadastrar através do link "Assine Agora" ou pelo telefone 0800515200, informando seus dados (nome, endereço, cep, cidade, estado, e-mail e telefone se tiver). Enviaremos uma edição do Mundo Jovem e um boleto bancário (DOC) para o pagamento. Se preferir, poderá fazer um depósito identificado no Banco do Brasil - Agência 3168-2 - Conta nº 707.311-9 (o código identificador pode ser o nº de CPF ou CNPJ) Esta conta está em nome de UBEA-PUCRS-MJOVEM. Neste caso, é necessário enviar o comprovante, com o nome e endereço, por carta, pelo FAX (51) 3320-3889 / 3320-3902 ou pelo e-mail: assinaturas.mundojovem@pucrs.br 
Também pode enviar por carta um cheque cruzado, nominal ao Jornal Mundo Jovem - Caixa Postal 1429 - 90001-970 - Porto Alegre/RS, ou utilizar o vale postal ou cheque-correio (nos correios).
 

Qual o preço da assinatura?

O preço da assinatura do Mundo Jovem varia de período para período. Clique aqui para saber mais.
 

Em que época posso fazer a assinatura?

Em qualquer época do ano podem ser acrescentadas novas assinaturas, com o preço atualizado.
 

O que é assinatura do 2º semestre?

Se você preferir, tem a opção da assinatura do 2º semestre, que corresponde aos meses de Julho a Novembro, num total de cinco edições.
 

O que é assinatura individual?

É uma assinatura enviada separadamente ao endereço do assinante.
 

O que é assinatura coletiva?

É a assinatura feita em grupo, a partir de 3 pessoas pagantes, que recebem os exemplares através de um representante. Ele forma o grupo, faz o pagamento, recebe os jornais e os entrega. E, a cada 5 assinaturas que paga, recebe uma assinatura gratuita. As assinaturas que forem acrescentadas ao pacote terão o preço de coletivas.
 

Quanto tempo demora para receber o Mundo Jovem em minha casa?

Assim que recebemos sua confirmação de pagamento, o jornal Mundo Jovem é enviado pelo correio. Normalmente o prazo máximo é de 15 a 20 dias para receber o jornal em sua casa.
 

Posso escrever artigos ou poesias para o Mundo Jovem?

Sim, você pode escrever artigos, poesias ou recados para o Mundo Jovem. Nós recebemos muitas colaborações. O que é possível publicamos no jornal ou em nosso site. Infelizmente não temos condições de publicar todas as colaborações. Mas ficaremos muito gratos pela sua participação. Não deixe de enviar textos originais, que possam contribuir com nosso leitores.
 

ATENÇÃO! MUDANÇAS NO PLANEJAMENTO DO SARAU MULTICULTURAL.


Em razão da realização de obras emergenciais no Clube Flamengo Circulista, a administração do local, mesmo com o esforço em realizá-las no tempo mais rápido possível, não pode prever até o dia 05 de junho (quarta-feira) a abertura do espaço em condições adequadas e satisfatórias
Diante disso, a comissão organizadora decidiu que realizará a primeira edição do Sarau Multicultural em Julho, em data a ser confirmada.
Zezito de Oliveira
P/ equipe de produção do evento.

Sequência da programação do Sarau Multicultural.
19h ás 20h30 – Sequencia artística programada
--- Exibição de documentário e clip produzido pelo Ponto de Cultura: Juventude e Cidadania, de Aracaju, SE.

 A) “Gonzaga me convidou para dançar.”
Trata-se de um documentário sobre as relações das músicas de Luiz Gonzaga com um grupo de jovens meninas  que dançam as canções de Gonzaga no conjunto Jardim. Vídeo roteirizado e produzido pelos alunos da primeira turma do curso de audiovisual do ponto de cultura: Juventude, Cultura e Cidadania.
B) “Sintonize” – clip inspirado na música da banda de reggae sergipana Kararoots,do álbum “Abra os Olhos”.
 Videoclipe da banda Kararoots, que conta a história de um jovem garoto que, revoltado com essa moderna dominação tecnológica/consumista, resolve fazer a sua justiça com as próprias mãos. Video roteirizado e produzido pelos alunos da segunda turma de audiovisual do ponto de cultura: Juventude e Cidadania.
--- Apresentação da coreografia inspirada na música Xote das Meninas e Rap da Felicidade. Grupo de aprendizes de dança moderna “Rosas e Cravos do Jardim”. Ponto de Cultura: Juventude e Cidadania.
---- Dançando Ciranda Pernambucana com a facilitação de Maxivel Ferreira.
---- Exibição do episódio “Tribos Urbanas” do documentário “JuventudeS” da produtora Verbo Filmes de São Paulo.
 Tendo como eixo um debate entre jovens provenientes de diversas áreas de estudo, este DVD apresenta um verdadeiro caleidoscópio da juventude brasileira. Temas como: religião, política, violência, família, internet e outros são comentados a partir de diferentes pontos de vista, influenciados seja pelo lugar social d@s entrevistad@s, seja pelas convicções que cada protagonista construiu ao longo de sua vida.
Para facilitar o seu uso, o documentário está dividido em blocos temáticos, encerrados sempre com algumas perguntas como sugestão para o início de um bate papo.
Este DVD é um subsídio para a Campanha da Fraternidade de 2013: FRATERNIDADE E JUVENTUDE. Servirá igualmente como um instrumento de trabalho em preparação à Jornada Mundial da Juventude.

20h30 até as 22h
---- Exposição e debate: Da juventude de ontem a juventude de hoje. O que nos move?
Expositores:
 Sanadia Gama dos Santos. Foi assessora nacional da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) no período de 2005 a 2009. Atualmente está na assessoria da PJMP regional BA/SE. Professora substituta da UFS Itabaiana. Assessora da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Sergipe- FETASE. Cordenou o projeto Selo UNICEF Municipio Aprovado e Baú de leitura no período de 2007 a 2010.
Edmilson Araújo. Nascido em Alagoinhas/BA, filho de família simples, viveu sua infância na zona rural. Tornou-se operário textil aos 15 anos. Iniciou sua militância política aos 18 anos na ASPETRO (sindiquímica/BA). Recrutado pela APML participou da construção do PT. Em 1981 foi para Sergipe como operário qualificado em plantas petroqúimicas compondo a equipe que deu partida na Nitrofértil (fafen). Participou da fundação e dirigiu o APEQ (Sindiquímica/SE) e a Cut/SE. Em 88 foi candidato à vice-prefeito na chapa encabeçada por Deda. Em 1994 rompeu com o PT juntando-se às correntes de esquerda que fundaram o Psol e Pstu. Em 1999 aposentou-se por tempo de serviço e retirou-se do movimento sindical aderindo à causa ambiental.

Motivação do Sarau Multicultural



A sociedade da informação nos assola com milhares de ideias, conceitos e propostas de mundo diariamente. O capitalismo avança e busca em suas redes, apoio para se apropriar do conhecimento e cultura local, fazendo se propagar o “comum”, que se vende sob uma imagem de bom produto. Com o tempo, a criatividade, a originalidade, a rebeldia consciente e as identidades dos povos vão se perdendo e com eles, a história, a memória, das lutas inclusive, e capacidade de um povo de gerir seus sonhos e realizar suas conquistas.

Com o passar do tempo, gerações de ativistas, foram tomando seus caminhos, alguns permaneceram de alguma forma, direta ou indiretamente contribuindo com movimentos e ações organizadas, outros, só conseguem saber das ações. Por diversos motivos pessoais e/ou ideológicos, muitas pessoas deixaram de acreditar na construção de um mundo melhor.

Para realimentar a essas pessoas, para promover integração aos que continuam ativos, motivar os que deixaram, e incentivar as novas gerações, é fundamental a criação de espaços para reflexão e acesso a cultura e ao conhecimento. O “Sarau Multicultural Revisitando as Utopias”, se propõe a este desafio, assumindo a intenção de unir pessoas, para refletir e agir sobre a realidade sociocultural brasileira.


Sarau

Um sarau (do latim seranus, através do galego serao) é um evento cultural ou musical realizado geralmente em casa particular onde as pessoas se encontram para se expressarem ou se manifestarem artisticamente. Um sarau pode envolver dança, poesia, leitura de livros, música acústica e também outras formas de arte como pintura e teatro. Evento bastante comum no século XIX que vem sendo redescoberto por seu caráter de inovação, descontração e satisfação. Consiste em uma reunião festiva que ocorre à tarde ou no início da noite, apresentando concertos musicais, serestas, cantos e apresentações solo, demonstrações, interpretações ou performances artísticas e literárias. Vem ganhando vulto por meio das promoções dos grêmios estudantis e escolas. (do site Wikipédia)